Tamanho do texto

Caso aconteceu em um dos estabelecimentos do McDonald's em Londres, na Inglaterra; mulher se recusou a tirar véu e publicou vídeo do caso no Twitter

Segurança do McDonald's pediu para que mulher tirasse véu por
shutterstock
Segurança do McDonald's pediu para que mulher tirasse véu por "questões de segurança"

Uma unidade do McDonald's em Londres, na Inglaterra, protagonizou um caso polêmico com uma estudante muçulmana. A jovem de 19 anos foi obrigada pelos seguranças da loja a retirar seu véu assim que entrou no estabelecimento.

Leia também: Supermercado Extra é multado em R$ 458 mil por caso de racismo contra criança

Segundo informações divulgadas pela própria mulher, que não quis ter o nome revelado, os funcionários contratados pelo McDonald's disseram que a utilização do hijab – com o véu é oficialmente chamado – seria uma ameaça à segurança do local.

A reação da jovem foi recusar-se a tirar o véu. Ela usou o celular para filmar a situação ocorrida na loja. Uma amiga publicou o conteúdo em sua conta no Twitter. No vídeo, a mulher pergunta ao segurança os motivos de não poder usar o hijab . Ele responde que o procedimento é "apenas uma questão de tirar isso".

Leia também: Transportadora deverá indenizar família de motorista morto em acidente

Percebendo a confusão, um homem  que está no restaurante tenta ajudar a jovem, dizendo ao segurança que ele não poderia fazer esse tipo de pedido para ela. Depois de perceber que estava sendo filmado, o funcionário solicitou que a mulher parasse de gravar o ocorrido. Segundo um porta-voz do empresa, os seguranças são contratados por empresas terceirizadas e o incidente será apurado. Confira o vídeo: 


Outros casos

É comum encontrar situações em que a religião causa problemas, inclusive no âmbito trabalhista. No mês de agosto, a empresa pública Minas Gerais Administração e Serviços S.A (MGS) não conseguiu reverter a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e precisou reintegrar uma vigia que havia sido dispensada por ser adventista. Para o Tribunal, a conduta da empresa foi discriminatória, constando violações constitucionais e legais.

Leia também: Com bitcoin em alta, Banco central dos EUA pretende criar sua moeda digital

A trabalhadora foi contratada pela MGS em maio de 2010 e posteriormente demitida sem justa causa. Na reclamação trabalhista, ela disse ao TST que foi dispensada por pertencer à Igreja Adventista, onde o período de trabalho é proibido entre o pôr-do-sol de sexta-feira e o de sábado. Para a vigia, suas práticas religiosas foram aceitas pela empresa até setembro de 2010, quando a entidade passou a exigir que os empregados trabalhassem também aos sábados, o que a fez ser demitida devido à impossibilidade de comparecer. Assim como ocorreu no McDonald's, a mulher alega falta de respeito às práticas religiosas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.