Tamanho do texto

Segundo levantamento, índice cresceu 1,8 ponto, depois de cair 31,5 pontos em cinco meses; para economista, resultado indica acomodação da incerteza

Brasil Econômico

Ainda que a intenção de consumo das famílias tenha aumentado , a estabilidade da economia ainda é motivo de preocupação. De acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), o Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) registrou subiu 1,8 ponto entre outubro e novembro deste ano, chegando a 112,8 pontos.

Leia também: Contas públicas têm primeiro saldo positivo em cinco meses, diz Banco Central

Segundo a FGV, o resultado de outubro pode ser interpretado como um movimento de acomodação da incerteza com a economia, visto que o indicador apresentou um recuo de 31,5 pontos nos últimos cinco meses. Ainda assim, economistas da instituição entendem que, se por um lado, a tempestade vivida no cenário econômico foi superada, a bonança levará mais alguns meses para chegar.

Segundo a FGV, indicador de incerteza com a economia ficou em 112,8 pontos em novembro
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Segundo a FGV, indicador de incerteza com a economia ficou em 112,8 pontos em novembro

Leia também: "Inflação do aluguel": Índice que corrige preços sobe 0,52% em novembro, diz FGV

Segundo o economista da Ibre/FGV, Pedro Costa Ferreira, o fim da recessão e a maior confiança de que o presidente Michel Temer terminará o mandato, trazem alívio ao sentimento de insegurança econômica. "Contudo, as dificuldades para aprovar as reformas estruturantes, o desequilíbrio fiscal e as divisões político-partidárias mostram que ainda é cedo para sair do estado de alerta. Possivelmente, é isso que reflete o resultado do IIE-Br em novembro", analisa.

O indicador leva em consideração três componentes: mídia, baseado na frequência de notícias com menção à incerteza; expectativa, construído a partir de dispersões das previsões de especialistas para a taxa de câmbio e a inflação; e mercado, baseado na volatilidade do mercado acionário, medido pelo Ibovespa. Em novembro, os componentes de mídia e mercado foram determinantes para o resultado final.

Leia também: ANP aprova oferta permanente de áreas de exploração de petróleo e gás natural

Segundo o Ibre/FGV, o componente Mídia do Indicador de Incerteza da Economia registrou alta de 1,8 ponto em novembro na comparação com outubro e contribuiu com 1,5 ponto para o índice geral. O IIE-Br Mercado, por sua vez, avançou 3,1 pontos e teve contribuição de 0,4 ponto. Por fim, o IIE-Br Expectativa foi o único componente que teve retração ao recuar 0,4 ponto e contribuir com uma queda de 0,1 ponto no geral.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.