Tamanho do texto

Os trabalhadores afirmam que a paralisação é uma forma de fazer com que a empresa localizada na província de Piacenza redistribua o dinheiro obtido

Brasil Econômico

Amazon afirma que prazos de entrega serão cumpridos, mesmo com paralisação
Getty Images
Amazon afirma que prazos de entrega serão cumpridos, mesmo com paralisação

Funcionários do centro de distribuição da Amazon, na Itália, anunciaram às vésperas da Black Friday – data promocial que ocorre nesta sexta-feira (24) – que irão paralisar suas atividades em um dos dias mais movimentados do ano, a fim de conseguirem melhorias em seus direitos trabalhistas e aumento de salários. A greve que tem previsão para terminar no início de sábado (25) tem apoio de quatros sindicatos.

Leia também: Vai às compras na Black Friday? Confira o que você precisa saber antes de gastar 

Vale mencionar que a paralisação afetará somente o estabelecimento da Amazon no país europeu, localizado na província de Piacenza. A unidade foi a primeira inaugurada na Itália, após o lançamento do site, em 2010. Atualmente, emprega mais de 1.600 funcionários.  

De acordo com os trabalhadores que participarão do ato, a greve foi escolhida como mecanismo de reivindicar melhores salários, uma vez que a unidade da empresa norte-americana da Itália apresentou grande crescimento. Para eles, essa é uma forma de a entidade redistribuir o dinheiro obtido nos últimos tempos.

Sindicatos informaram que mais de 500 funcionários alegaram que participariam da paralisação, depois de não terem sucesso na negociação do pagamento de bônus com a companhia. Eles ainda expuseram que a produtividade no local é considerada alta e que o sacrifício dos trabalhadores não foi recompensado, já que a empresa não paga além do “mínimo do contrato coletivo”.

Leia também: E a briga continua: Giraffas dará batatas grátis na Black Friday

Outras medidas

Os trabalhadores italianos comunicaram que não só vão parar de trabalhar na Black Friday, como também não pretendem fazer as horas estimadas até o dia 31 de dezembro, período de grande importância para o varejo, com maior pico de vendas do ano.

Em uma nota enviada à imprensa Europeia, a Amazon disse que os salários dos funcionários da unidade em específico são os "mais altos no setor". Além disso, também alegou o recebimento de outros benefícios por parte dos trabalhadores, como descontos para compras na loja e plano de saúde.

No mesmo comunicado, a Amazon assegurou que os consumidores não serão prejudicados. Segundo a companhia, medidas serão tomadas para que as compras realizadas ao longo da data comercial sejam entregues no prazo . Eles tentarão garantir que os produtos já adquiridos  também cheguem aos clientes nos próximos dias. 

*Com informações da Agência Ansa

Leia também: Fundador da Polishop critica data da Black Friday, mas vê oportunidade de vender

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.