Tamanho do texto

Cerca de 42,9% dos desembolsos feitos pelo BNDES ao longo do ano foram para micro, pequenas e médias empresas, o que resulta em R$ 23,6 bilhões

BNDES direcionou R$ 10,1 bilhões de seus desembolsos para o setor de energia elétrica
Agência Brasil
BNDES direcionou R$ 10,1 bilhões de seus desembolsos para o setor de energia elétrica

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) registrou uma queda dea de 20% nos desembolsos entre janeiro e outubro de 2017, na comparação com mesmo período do ano anterior. Segundo a instituição, foram R$ 55,1 bilhões liberados. O valor de aprovações somou R$ 54,4 bilhões, o que representou redução de 13% entre janeiro e outubro de 2017. Nos últimos 12 meses, as aprovações registraram R$ 71,1 bilhões (-21%) e os desembolsos, R$ 74,4 bilhões (-25%).

Leia também: Demanda por voos nacionais registra alta de 7,8% em outubro, diz Anac

Cerca de 42,9% dos desembolsos feitos pelo BNDES no período foram para micro, pequenas e médias empresas. De acordo com a instituição, foram R$ 23,6 bilhões liberados para o segmento, o que manteve a trajetória crescente na participação desses tipos de empresas nas liberações da instituição no período.

Energia e agropecuária

Os desembolsos do banco tiveram R$ 10,1 bilhões direcionados para o setor de energia elétrica, que teve crescimento de 43% e participação de 18,6% no total. Quando se refere a aprovações, o total para o setor chega a R$ 12,1 bilhões. Isso representa crescimento de 182% de janeiro a outubro de 2017.

A agropecuária ficou com 21,3% (R$ 11,7 bilhões) dos desembolsos até outubro deste ano. O valor representa crescimento de 9%, se comparado com o mesmo período de 2016. Em relação aos últimos 12 meses, o crescimento aumenta para 14%, com o total de R$ 14,8 bilhões desembolsados entre novembro de 2016 e outubro de 2017.

Leia também: Burger King entra na Black Friday e oferece balde de batata frita

Financiamento de máquinas

Ainda de acordo com o banco, a linha Finame, destinada aos financiamentos de máquinas e equipamentos, atingiu R$ 16 bilhões nos dez primeiros meses do ano, tendo alta de 11% em relação a 2016. Já nos últimos 12 meses, houve desembolsos de R$ 19,2 bilhões.

O banco ainda destacou que a Finame “pode ser vista como importante termômetro da atividade econômica e projeta crescimento, uma vez que as aprovações, última etapa antes da contratação e desembolso, alcançaram R$ 18,2 bilhões, de janeiro a outubro de 2017, expansão de 25% na comparação com o mesmo período de 2016”.

Utilizada pelas empresas que necessitam de capital de giro, a linha de financiamento BNDES Giro teve alta de 252% em relação aos dez meses de 2016, com um total de R$ 5,5 bilhões em 2017. No acumulado em 12 meses, os desembolsos atingiram R$ 6,6 bilhões, o que representa elevação de 211%, se comparado aos 12 meses entre novembro de 2016 e outubro de 2017.

Leia também: TST condena empregador doméstico por tratamento ofensivo a babá

Por região

Considerando a distribuição regional dos recursos do BNDES, o Nordeste chamou atenção com crescimento de 19% em desembolsos: R$ 10,1 bilhões. Quando se analisa as aprovações (R$ 10,2 bilhões), o percentual de crescimento é 117% entre janeiro e outubro. Já em outras regiões houve quedas. No Norte, ficou em -9%; Centro-Oeste em -12%; o Sul em -21%, e a mais relevante foi no Sudeste de - 33%. A região Sul, no entanto, apresentou crescimento de 3% nas aprovações feitas este ano: R$ 14,8 bilhões

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.