Brasil Econômico

Em sua defesa, hospital Santa Rita de Cássia alegou que não poderia ser culpabilizado por uma pandemia
shutterstock
Em sua defesa, hospital Santa Rita de Cássia alegou que não poderia ser culpabilizado por uma pandemia

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) não concedeu recurso a Associação Feminina de Educação e Combate ao Câncer (AFECC) – Hospital Santa Rita de Cássia (ES), contra a condenação ao pagamento de indenização por danos morais e materiais à família de uma técnica de enfermagem, morta em 2009, vítima de gripe H1N1 . De acordo com os julgadores do caso, a relação entre o trabalho desenvolvido pela empregada e a doença resultou em seu falecimento.

Leia também: Brasileiros adotam medidas para reduzir gastos mensais, diz pesquisa 

O ocorrido repercutiu fortemente em Vitória, já que de acordo com o processo levado ao TST, a trabalhadora teria sido a primeira vítima fatal de H1N1 no estado e estava grávida de seis meses. Na ação trabalhista, a família da técnica de enfermagem alegou que houve descuido por parte do hospital em relação às medidas de segurança e de prevenção, uma vez que não a transferiram para um setor com menor risco de contaminação, durante o surto da doença.

Em sua defesa, a instituição argumentou que não poderia ser responsabilizada por uma pandemia e que não havia comprovação de que a contaminação aconteceu de fato, no ambiente de trabalho. No que se diz respeito à acusação de negligência, ressaltou que os prontuários médicos comprovam ao contrário. Ainda de acordo com o Santa Rita, uma testemunha teria dito que a própria empregada cogitou a possibilidade de ter sido contaminada em um comércio, onde comprou roupas para o bebê.

Você viu?

Decisão

Em julho de 2012, o juízo da 9ª Vara do Trabalho de Vitória condenou a instituição ao pagamento de indenização por danos morais, em R$ 200 mil, juntamente a R$ 704 por danos materiais, durante 39 anos. Com isso, o Santa Rita recorreu ao TRT da 17ª Região (ES), onde teve o seu pedido negado.

Leia também: Criminosos usam chips para alterar volume em bombas de combustível

Para o TRT, não há nada no processo que possa comprovar o nexo de causalidade. Porém, não se pode descartar a possibilidade de a trabalhadora ter contraído o vírus no recinto. “Diante do estado de incerteza, a sucumbência deve recair sobre a parte que detinha o ônus de provar, e isso o Santa Rita  não conseguiu demonstrar”, expôs a decisão.

No recurso, a instituição afirmou que não há meios de fazer prova negativa, além de evidenciar que o próprio Poder Público reconheceu a H1N1 como uma pandemia, e que “qualquer um, independentemente da atividade que exerça, poderia ter adquirido tal doença, em qualquer lugar, e quando isso aconteceu ninguém duvidou ter sido obra do acaso, do caso fortuito, não da ação ou omissão direta de quem quer que fosse”.

O relator do caso, ministro José Roberto Freire Pimenta, considerou as fundamentações do TRT acerca da existência de causalidade entre a morte da funcionária e as funções por ela desenvolvidas. Para ele, “nas circunstâncias específicas do processo, em que a empregada era técnica de enfermagem e foi acometida por doença de fácil contaminação, o hospital, ao sustentar que não foi demonstrado o nexo de causalidade , atraiu o ônus de provar o contrário, e não o fez”. 

Leia também: BNDES libera transferência de R$ 17 bilhões para o Tesouro Nacional

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários