Brasil Econômico

Brasil Econômico

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou nesta terça-feira (17) o reajuste nas contas de energia elétrica em parte do estado de São Paulo. A atualização dos preços da tarifa vale para os consumidores atendidos pela Bandeirante Energia S.A. e pela Companhia Piratininga de Força e Luz (CPFL) – Piratininga. A mudança terá validade a partir do dia 23 de outubro.

Leia também: Brasil é considerado burocrático por 84% da população, indica pesquisa

Com a decisão da Aneel , as contas de luz para os clientes da Bandeirante , que atende cerca de 1,8 milhão de unidades consumidores na região do Vale do Paraíba, terão aumento médio de 24,37%. Já os clientes da Piratininga , que leva energia elétrica a 1,6 milhão de unidades consumidores das cidades de Santos, Sorocaba, Jundiaí e Indaiatuba, terão reajuste médio de 17,28% nas tarifas.

undefined
Divulgação
Reajustes autorizados pela Aneel afetam consumidores de concessionárias de São Paulo, Distrito Federal e Goiás

Leia também: Igualdade de gênero poderia contribuir com US$ 28 trilhões ao PIB global

Para calcular o aumento da tarifa anual, a agência leva em conta a variação de custos associados à prestação do serviço. O cálculo considera a aquisição e a transmissão de energia elétria, assim como os encargos setoriais e a atualização dos custos típicos da atividade de distribuição. Os custos da atividade, por sua vez, são atualizados de acordo com as variações do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M).

Reajuste para o Distrito Federal e Goiás

A autarquia também autorizou a revisão de preços em outras duas concessionárias que fornecem energia para o Distrito Federal e o estado de Goiás. São elas a Companhia Energética de Brasília (CEB) e a Celg Distribuição (CELG D). O reajuste médio de contas da CEB, que atende 1,05 milhão de unidades consumidoras, ficou em 7,35%. Para os consumidores conectados à alta-tensão, o aumento será de 8,46%. Em caso de baixa tensão, a alta será de 6,84%.

Leia também: Quatro maiores bancos detêm 78,6% do crédito no país, diz Banco Central

Já os consumidores da CELG D, que tem uma base de cerca de 2,8 milhões de unidades consumidores, o aumento médio ficou estabelecido em R$ 14,65%, sendo 15,89% para as unidades consumidores de baixa tensão e, de 12,03%, para os de alta tensão. Nestes dois casos, os novos valores definidos pela Aneel passam a ser cobrados a partir do próximo domingo (22).

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários