Tamanho do texto

Em uma parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, ministério vai liberar até R$ 100 mil para cada projeto escolhido

Ronaldo Nogueira, o ministro do Trabalho, disse existir a necessidade de estimular empreendimentos de Economia Solidária
Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Ronaldo Nogueira, o ministro do Trabalho, disse existir a necessidade de estimular empreendimentos de Economia Solidária

O Ministério do Trabalho acertou uma parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para selecionar projetos de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e extensão de incubadoras de empreendimentos econômicos solidários. Serão investidos R$ 4 milhões em incubadoras, sendo R$ 100 mil o valor máximo destinado a cada projeto. As inscrições para participação no projeto serão feitas somente  no site do CNPq. A assinatura do termo foi publicada nesta terça-feira (10), no Diário Oficial da União (DOU).

Leia também: Volume de impostos pagos no Brasil tem aumento de 8% em 12 meses

Segundo informações do ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, esses recursos foram descontingenciados em razão da necessidade de manter-se o estímulo de empreendimentos voltados para a Economia Solidária. "A Economia Solidária não é caridade. É uma política social de Estado que traz resultados muito positivos para o país. Gera trabalho e renda e dá autonomia financeira à população que está fora do mercado formal", salienta o ministro.

Para o analista técnico de Políticas Sociais da Subsecretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes), Robert Paula Gouveia, a liberação dos recursos representa a continuidade da política social nesse segmento. "Será um respiro para as incubadoras de empreendimentos solidários neste momento", observa.

Leia também: Justiça determina regras para a realização de assembleia com credores da Oi

O responsável pela apresentação da proposta, obrigatoriamente, deve ter seu currículo cadastrado na Plataforma Lattes, atualizado até a data-limite para submissão da proposta para participar. Além disso, é necessário possuir a titulação mínima de mestre e experiência em Economia Solidária , Desenvolvimento Territorial, Tecnologia Social, Geração de Trabalho e Renda.

Também é ncessário que o responsável faça parte da coordenação do projeto e possua vínculo celetista ou estatutário com a instituição de execução do projeto. Se for aposentado, deve comprovar que mantém atividades acadêmico-científicas e apresentar declaração da instituição de execução do projeto concordando com a sua execução.

Leia também: FMI eleva projeção de crescimento da economia brasileira em 0,7%

De acordo com Gouveia, as propostas deverão estar em consonância com as diretrizes estabelecidas, como a interação horizontal entre empreendimentos e equipes de incubação, com a produção e a troca de conhecimentos ficando no centro desta relação. É importante levar em consideração os princípios metodológicos centrais  inspirados principalmente na proposta de educação popular, autogestão, interdisciplinaridade e aprendizado mútuo, além de outros quesitos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.