Tamanho do texto

Pesquisa identificou que 24,4% dos respondentes afirmaram que andar a pé foi a solução para economizar; outros 21,5% falaram em transporte público

Crise econômica fez brasileiros andar mais a pé e utilizar transporte público, segundo pesquisa da Sodexo
Elisa Rodrigues/SPTrans
Crise econômica fez brasileiros andar mais a pé e utilizar transporte público, segundo pesquisa da Sodexo


Em tempos de crise econômica é comum que os consumidores mudem os hábitos de consumo, sendo que essa medida tem como intuito reduzir os gastos. Uma dessas mudanças foi à forma de se locomover, conforme identificou uma pesquisa realizada pela Sodexo, empresa provedora de benefícios.

Leia também: Consumidor paga até 70% em impostos nos produtos para o Dia das Crianças

Estudo feito com mais de mil pessoas em todo o País, revelou que 69% dos respondentes mudaram a foram de transporte com o acirramento da  crise econômica no Brasil. Uma das formas utilizadas pelos brasileiros para economizar com o transporte foi andar a pé , com 24,4% das menções.  A utilização do transporte público foi mencionada por 21,5% dos participantes, seguidos por 19,4% dos que afirmaram que deixaram de se locomover com tanta frequência.

O uso de bicicleta como meio de transporte foi mencionado por 17,1% dos entrevistados, seguido dos aplicativos de mobilidade urbana com 9,9% e a carona, com 73,7% das menções na pesquisa. Por mais que o consumidor tente economizar com a mudança de hábito , o aumento dos custos com transportes públicos e privados pesaram no bolso dos mesmos.

Leia mais: Balança comercial registra superávit recorde em setembro

Bolso pesado

Dos entrevistados, 73,5% deles afirmaram ter sentido impacto na alta do combustível, no preço das passagens de ônibus; metrô, trem ou no valor de uma corrida de taxi .  Durante o período, o gasto com combustível foi o que mais aumentou para 65,70% dos entrevistados, seguido por transporte público 31% das respostas e táxi com 3,30%.

“Apesar da baixa recente da inflação, a renda das famílias diminuiu com a crise econômica e o desemprego, e a necessidade de economizar acabou impactando aspectos básicos como transporte e saúde. A opção do brasileiro por andar a pé tem um aspecto benéfico: quando a crise passar, talvez estejamos mais acostumados com essa prática tão saudável. A crise pode ter mostrado para muita gente que andar mais a pé é possível. Além de ser a forma mais econômica de se deslocar, caminhar é a primeira alternativa para quem manteve a rotina de exercício físicos durante a crise, mas teve que equilibrar as despesas”, comentou em nota o diretor de Sustentabilidade da Sodexo Benefícios e Incentivos no Brasil, Fernando Cosenza. 

Leia também: Governo publica portaria que liberou mais de R$ 9,8 bilhões em gastos extras