Tamanho do texto

Índice medido pela Fundação Getulio Vargas registrou queda de 10,8 pontos, o que aponta para redução de dúvidas sobre condução da política econômica

Brasil Econômico

As dúvidas em relação ao atual cenário econômico diminuíram no mês de setembro na comparação com agosto. De acordo com dados do Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br), realizado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), o índice passou de 130,1 pontos para 119,3 pontos. O resultado representa o terceiro recuo consecutivo do indicador.

Leia também: Comércio brasileiro deve contratar 73 mil temporários para o Natal

Ao mesmo tempo, o índice atinge o menor nível desde abril deste ano, quando encontrava-se em 118,8 pontos. Na avaliação de Pedro Costa Ferreira, economista da FGV, dois fatores explicam a queda do indicador: a redução da incerteza em relação à condução da política econômica e, em segundo lugar, o sentimento de que a condução desta política não sofrerá grandes desvios a médio prazo.

Para economista, destaque do indicador é a retomada para o padrão de incerteza anterior à divulgação dos áudios da JBS
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Para economista, destaque do indicador é a retomada para o padrão de incerteza anterior à divulgação dos áudios da JBS

Leia também: Taxa de desemprego na Grande São Paulo cai para 17,9%

"O principal destaque nessa queda acentuada do indicador de incerteza é a volta para o nível anterior à divulgação dos áudios da JBS com o presidente Temer, em relação à elevada media dos últimos três anos", diz Ferreira. Segundo ele, a avaliação do condução da política econômica está claramente refletido no IIE-Br Expectativa, construído a partir de mudanças das previsões de especialistas para a taxa de câmbio e para a inflação.

O componente registrou recuo de 18,2 pontos entre agosto e setembro, passando de 120,8 pontos para 102,6 pontos. A queda contribui com uma redução de 4,6 pontos do IIE-Br. Já o componente IIE-Br Mídia, baseado na frequência de notícias relacionadas a dúvidas com a economia, apresentou redução de 7,5 pontos, passando de 128,7 pontos para 121,2 pontos. O componente contribuiu com a queda de 6,6 pontos para o recuo do índice geral.

Leia também: Leilão das usinas hidrelétricas operadas pela Cemig rendem R$ 12,1 bilhões

Por outro lado, o IIE-Br Mercado, que analisa instabilidades no mercado de ações, teve alta de 3,3 pontos em setembro, passando de 95,3 pontos para 98,6 pontos. A elevação contribuiu com 0,4 pontos adicionais para o índice geral. Para o economista da FGV, no entanto, apesar do resultado de setembro do índice de incerteza parecer baixo, "ele ainda está longe da média história de 100 pontos".

* Com informações da Agência Brasil.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.