Tamanho do texto

Dispor de um bom gateway de pagamentos é um dos principais elementos para o sucesso do e-commerce que já tem médio ou grande volume de vendas

Brasil Econômico

Gateway de pagamentos deve ser compatível com a plataforma utilizada no e-commerce
shutterstock
Gateway de pagamentos deve ser compatível com a plataforma utilizada no e-commerce

Quem trabalha com uma loja virtual precisa se atentar a uma série de questões. Muitos empreendedores não percebem, mas a página de pagamentos é essencial para que o cliente conclua suas compras em um e-commerce.

Leia também: Confira quatro dicas para evitar armadilhas e golpes com empréstimos

Dispor de um bom gateway de pagamentos, por exemplo, é um dos principais elementos para a efetividade das transações do e-commerce que já tem um médio ou grande volume de vendas. Quando as lojas chegam a esse nível, é fácil perceber a necessidade de encontrar uma solução mais barata que os intermediadores, ou seja, chega a hora de contratar uma dessas ferramenta.

Considerada uma interface que efetua todos os processos relacionados à transferência, gestão, envio e recebimento das informações relativas às operações de pagamentos, o gateway faz a conexão tecnológica entre as lojas e as operadoras financeiras, incluindo bancos e adquirentes. É como contratar uma maquininha de cartão, envolvendo a procura por taxas mais competitivas para não comprometer o percentual de lucro. Pensando nisso, João Barcelos, CEO da MundiPagg, listou as principais dicas para que você escolha a melhor solução. Confira:

1) Compatibilidade

Antes de tudo, é necessário verificar se o  gateway  é compatível com a plataforma da loja virtual, essencial para o funcionamento das ferramentas em harmonia. Atualmente, os maiores gateways têm compatibilidade, proporcionando um grande leque de escolhas. Porém, novas soluções surgem a cada dia e algumas podem não estar preparadas para serem incorporadas por determinadas lojas. 

2) Integração

A aplicação dessa interface com os diversos tipos de ambiente da internet é tão importante quanto a compatibilidade. Esse item é importante porque, quando maior a operação fica, mais necessidades por outros serviços são identificadas. Nessa hora é importante contar com um gateway que tenha uma fácil integração com uma solução antifraude eficiente, por exemplo, ou com outros parceiros que ofereçam diferentes opções de pagamentos .

Leia também: Veja cinco dicas que te ajudarão a economizar com o combustível

3) Recursos

Entenda que os recursos existentes visam facilitar a gestão de vendas e também a experiência dos consumidores. Portanto, são funcionalidades que devem ser consideradas: painéis de controle; relatórios gerenciais; recuperação de vendas; análise informativa em tempo real; compras com apenas um clique; divisão do valor para pagamento em diferentes cartões, entre outros.

4) Segurança

É preciso que o gateway escolhido esteja de acordo com as normas de segurança internacionais exigidas pelo setor. Entre elas, está a certificação PCI-DSS, que faz o armazenamento legal dos dados que se referem aos cartões de crédito, assegurando as transações. Isso é essencial para que as lojas possam disponibilizar o pagamento com um clique e outros recursos, como a quitação por cartão de débito por meio de token enviado pelo banco emissor.

5) Prevenção de fraudes

Apesar de não ser uma responsabilidade dos gateways, alguns oferecem recursos que ajudam a detectar os atos fraudulentos, como o Sistema de Verificação de Endereço (AVS). Ferramentas como essa comparam as informações do emissor do cartão com o endereço da fatura, rejeitando as compras nos casos em que os dados são divergentes.

6) Suporte

É indispensável ter um suporte técnico para contornar eventuais problemas. Por mais afinada que seja a operação de uma loja, vendas on-line são processos tecnológicos que estão sujeitos a imprevistos a qualquer momento. Por essa razão, é importante optar por um gateway que ofereça um atendimento multicanal, de alta disponibilidade e eficaz, para que as vendas não sejam perdidas.

Leia também: Precisa fazer uma entrega? Conheça site que faz serviço de forma colaborativa

7) Custos

Os preços têm relação direta com a inclusão de condições adicionais e podem variar bastante. Entre as tarifas que podem envolver a contratação estão taxa de implantação ou kick off, mensalidade ou anualidade (geralmente baseado no volume de transações processadas), taxas por operação e de retirada (cifra requerida quando houver a transferência de valores para sua conta bancária) e oschargebacks (estorno de compras contestadas). Faça contas e compare os recursos que atenderão as necessidades do e-commerce, para então realizar o investimento na solução mais adequada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas