Tamanho do texto

Tecidos, vestuários e calçados apresentou a maior taxa positiva, com variação de 15,5%, assim como móveis e eletrodomésticos, com 12,7%

Brasil Econômico

IBGE aponta alta nas vendas do varejo em 12 das 27 Unidades da Federação
iStock
IBGE aponta alta nas vendas do varejo em 12 das 27 Unidades da Federação

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta terça-feira (12) os resultados da Pesquisa Mensal do Comércio, que evidenciou estabilidade no comércio varejista nacional , ao registrar variação de 0,0% em julho deste ano frente a taxa do mês anterior e na série livre de influências sazonais. Com isso, o resultado mensal repetiu o patamar de junho, após três altas consecutivas, com acumulo de ganho de 2,2%.

Leia também: Banco Central indica corte menor da Selic e fim gradual do ciclo de reduções

De acordo com o IBGE , mesmo com o comportamento positivo dos últimos meses, as vendas de julho deste ano ficaram 8,7% abaixo do nível recorde atingido em novembro de 2014. Se comparado ao mesmo período do ano passado, o varejo avançou pelo quarto mês consecutivo, com alta de 3,1%.  Setorialmente e no confronto interanual, tecidos, vestuários e calçados apresentou a maior taxa positiva, com 15,5%, assim como móveis e eletrodomésticos, que variou 12,7%.

Em relação ao indicador acumulado nos últimos 12 meses, houve redução de 2,3%, mantendo o ritmo de queda, iniciado em outubro de 2016, quando caiu 6,8%. Já no índice de média móvel trimestral, o volume de vendas registrou variação de 0,4% do trimestre móvel encerrado em junho para o encerrado em julho.

Setores e atividades

Também em julho, houve avanço nas vendas de três setores, sendo hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo o principal destaque, com 0,7%. Tecidos, vestuários e calçados e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação vieram em seguida, com respectivamente, 0,3% e 4,4%.

Já as atividades de móveis e eletrodomésticos e livros, jornais, revistas e papelaria acompanharam o resultado geral, com variações nulas.  Por outro lado, combustíveis e lubrificantes registrou queda de 1,6%, assim como artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, que recuou 0,4% e outros artigos de uso pessoal e doméstico, com baixa de 0,2%.

Retomando os resultados positivos, as principais altas foram observadas em: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria, com 2,4%; hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com 0,3%; equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, com 11,6%; e livros, jornais, revistas e papelaria, com 0,2%.  

O setor de tecidos, vestuário e calçados, que cresceu 15,5% no volume de vendas, foi apontado como o principal contribuinte para a taxa global do varejo. Além disso, acumulou alta de 7,1% no ano, enquanto permaneceu negativo no acumulado em 12 meses, com queda de 1,2%. Vale mencionar que o desempenho deste setor se beneficiou do aumento da massa real de rendimentos e da influência de uma base baixa de comparação.

Já o setor de móveis e eletrodomésticos foi considerado o segundo maior impacto positivo na taxa global, com variação de 12,7% e taxa acumulada de 6,8%. Em relação ao acumulado nos últimos 12 meses, o resultado foi negativo, com recuo de 1,2%, o que sinalizou uma redução no ritmo de queda, mesmo com baixa. Por se tratar de uma atividade cujas vendas são relacionadas às condições de crédito, o setor vem sendo afetado pela retração dos custos de financiamento.

Outros artigos de uso pessoal e doméstico representou a terceira participação positiva, com variação de 4%. No acumulado do ano e dos últimos 12 meses as taxas foram de baixas, com respectivamente, 0,2% e 3%.  Enquanto o setor de artigos farmacêuticos médicos, ortopédicos e de perfumaria avançou 2,4%, com taxa acumulada no ano de menos 0,4% e de menos 2,2% em 12 meses.

Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, 0,3%, exerceu o quinto maior desempenho no resultado global, sendo influenciado pela alta na massa salarial real e pelo comportamento dos preços do grupo alimentação no domicílio. Em termos acumulados, as taxas foram negativas, com recuo de 0,5% para o acumulado nos sete primeiros meses do ano e com queda de 1,7% para os últimos 12 meses.

Leia também: Finanças: três armadilhas financeiras que acabam com o seu dinheiro!

O segmento de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação cresceu 11,6% no volume de vendas em julho deste ano frente ao mesmo mês do ano passado.  Com taxa de menos 0,6% acumulada no ano e de menos 3,6% nos últimos 12 meses.

A atividade de livros, jornais, revistas e papelaria, que variou 0,2%, apresentou taxa acumulada no ano de -3,3% e de -8,1% nos últimos 12 meses. Entre os principais influenciadores para o resultado, estão os preços dos produtos de papelaria, que apresentaram crescimento e na restrição orçamentária das famílias brasileiras, que substituíram produtos impressos, como jornais e revistas por itens do meio eletrônico.  O comércio de combustíveis e lubrificantes variou negativamente, com 0,9%.

Estados

Ainda no sétimo mês do ano, houve aumento no volume de vendas do varejo em 12 das 27 Unidades da Federação, na série com ajuste sazonal. Os destaques foram: Amazonas, com 3%; Santa Catarina, com 2,4% e Roraima, com 2,2%. Em contrapartida, Tocantins decresceu 5,3%, registrando o recuo mais acentuado no varejo.

Na comparação com julho do ano passado, o avanço no volume de vendas foi ainda maior, alcançando 20 das 27 Unidades da Federação. Santa Catarina e Alagoas obtiveram as maiores taxas positivas, com 14,2% e 10,3%, respectivamente. São Paulo, com 3,5% e Minas Gerais, com 3,9%, também avançaram na base comparativa.

Varejo ampliado

O comércio varejista ampliado, abrangente as atividades de veículos, motos, partes e peças de material de construção variou 0,2% em comparação a junho e na série com ajuste sazonal. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o volume do varejo ampliado apresentou crescimento de 5,7%, com taxa de 1,1% acumulada no ano e com decréscimo de 2,8% nos últimos 12 meses.

Vale ressaltar que a variação de 0,2% sofreu influências da redução de 0,8% nas vendas em veículos, motos, partes e peças e do acréscimo de 0,9% no setor material de construção. No confronto com o mesmo período do ano anterior, o total do comércio varejista ficou em 3,1%, com o quarto avanço seguido, ocasionado pelos resultados positivos em sete das oito atividades avaliadas. Os destaques na formação da taxa global foram: tecidos, vestuário e calçados, com 15,5%; móveis e eletrodomésticos, com 12,7% e outros artigos de uso pessoal e doméstico, com 4%.

A alta de 5,7% no volume de vendas frente ao mesmo mês do ano anterior refletiu, principalmente o desempenho das vendas de veículos, motos, partes e peças, que cresceu 6,5%, seguido por material de construção, que teve alta de 11% em ambas as bases comparativas. As taxas acumuladas para estas atividades foram, respectivamente, de -2,9% e 5,6% em sete meses, e de -7,3% e -0,2 nos últimos 12 meses.

No que se diz respeito às Unidades da Federação, o IBGE mostrou avanço nas vendas em 23 dos 27 estados, com destaque para Santa Catarina, com 16%; Amazonas, com 15,2%; Rio Grande do Sul, com 13,3%; Maranhão, com 12,5% e Alagoas, com 11,8%. Para a taxa global do varejo ampliado, as maiores contribuições partiram de São Paulo, com 5,9%, Santa Catarina, com 16% e Rio Grande do Sul, com 13,3%.

Leia também: Indústria paulista registra quarto mês seguido com queda no nível de emprego

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas