Tamanho do texto

Como você pode saber, a CIA coletar dados das redes sociais não é estranho, mas com a IA as coisas são um pouco diferentes, confira por quê

Brasil Econômico

A Central Intelligence Agency (em tradução livre, Agência Central de Inteligência – CIA ) requer grandes quantidades de dados, que são coletados de diferentes fontes, para completar as investigações. Desde a sua criação em 1947, os dados normalmente eram coletados manualmente. Porém, o advento dos computadores melhorou o processo, mas métodos modernos podem ainda ser meticulosamente lentos. Em última análise, esses métodos capturam quantidades minúsculas de dados quando comparados ao que a inteligência artificial (IA) pode reunir.

Leia também: Facebook cria robô que entende e reage a expressões faciais humanas

Inteligência Artificial: “O que é novo é o volume e a velocidade da coleta de dados das redes sociais”, disse o chefe da escola de Kent da CIA, Joseph Gartin
shutterstock
Inteligência Artificial: “O que é novo é o volume e a velocidade da coleta de dados das redes sociais”, disse o chefe da escola de Kent da CIA, Joseph Gartin

De acordo com informações reveladas pela vice-diretora de desenvolvimento tecnológico da CIA, Dawn Meyrriecks, a Agência tem atualmente 137 diferentes projetos de Inteligência Artificial à caminho. Boa parte desses empreendimentos são colaborações entre pesquisadores da Agência e desenvolvedores do Vale do Silício . Mas as capacidades emergentes e em desenvolvimento na IA não estão apenas permitindo que a CIA tenha mais acesso a dados e uma maior habilidade para peneirar isso. Esses programas levaram a uma maior investigação de dados nas mídias sociais, combinando inúmeros registros públicos (isto é, o que você publica online). De fato, uma massiva porcentagem de dados coletados e utilizados pela Agência vem das mídias sociais.

Como você pode saber ou adivinhou, a CIA coletar dados das redes sociais não é estranho, mas com a IA as coisas são um pouco diferentes. “O que é novo é o volume e a velocidade da coleta de dados das redes sociais”, disse o chefe da escola de Kent da CIA, Joseph Gartin. E, de acordo com o diretor de operações da Stabilitas, Chris Hurst, na Cúpula de Inteligência, “o comportamento humano é de dados e IA é um modelo de dados”.

Leia também: Frankstein? Transplante de corpo inteiro será realizado na China

Automação

Segundo o diretor da Agência Nacional de Inteligência Geo-espacial, Robert Cardillo,  “se tentássemos explorar manualmente as imagens de satélite comercial que esperamos nos próximos 20 anos, precisaríamos de oito milhões de analistas de imagens”. Ele afirmou que a Agência pretende usar o IA para automatizar cerca de 75% da carga de trabalho atual para os analistas. E, se eles usam IA auto-aprimoráveis como eles esperam, esse processo tende a se tornará mais eficiente.

Enquanto países como Rússia continuam muito longe dos Estados Unidos em termos de desenvolvimento de IA, parece haver um impulso global – se não uma corrida – progressivo. Conhecimento é poder, e criar uma tecnologia capaz de extrair, sortir e analisar dados mais rapidamente que qualquer humano ou outro sistema de inteligência artificial poderia certamente soar como um caminho rápido para o topo. Como Vladimir Putin afirmou recentemente sobre o assunto de IA: “Quem se tornar o líder nesta esfera se tornará o governante do mundo”.

Leia também: Ação que fomenta o empreendedorismo passará por diferentes regiões do Brasil

*Com tradução de futurism.com

    Leia tudo sobre: inovação
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas