Tamanho do texto

Tesouro Direto pode ser uma boa opção para investidores conservadores e ousados, por conter alternativas rentáveis, seguras e voláteis; saiba mais:

Brasil Econômico

Educador financeiro lista dicas para investidores da Bovespa escolherem o título mais adequado no Tesouro Direto
shutterstock
Educador financeiro lista dicas para investidores da Bovespa escolherem o título mais adequado no Tesouro Direto

A Bovespa começou esta quinta-feira (31) com um avanço de 0,28%, aos 71.087 pontos, o que evidencia um cenário mais favorável para investimentos. Entretanto, muitos gestores possuem dúvidas sobre qual a melhor opção para se arriscarem. De acordo com o educador financeiro do Blog de Valor, André Bona, o Tesouro Direto ganhou popularidade entre os brasileiros por sua rentabilidade, mesmo existindo complicações na hora de escolher o melhor título, o que os fazem optar pela tabela no site do Tesouro.

Leia também: IBGE: taxa de desemprego cai para 12,8% no trimestre encerrado em julho

Pensando nessas implicações, o educador financeiro listou quatro dicas que ajudarão  gestores da Bovespa e investidores no geral a escolherem o título mais adequado no Tesouro Direto.

1. Entendimento de títulos

Existem títulos que se destacam de acordo com os indicares que seguem. Um exemplo disso é o Tesouro Selic, que acompanha a taxa Selic over e pode ser resgatado em qualquer momento, sem que existam perdas. Enquanto o tesouro prefixado tem aderência de taxas previamente definidas, em 10% ao ano. Desse modo, o que acontecer com o Selic over ou outros indicadores do mercado fará com que esses títulos rendam exatamente o que os foi pactuado.

Há também os que se tornam evidentes pela rentabilidade nominal, como os títulos prefixados e pela rentabilidade real, como o Tesouro  do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que dá ao investidor um valor já atualizado acerca da inflação do momento. Por isso, é importante procurar entender cada um deles para saber qual mais se adequa as pretensões dos gestores.

2. Identificação do perfil  do investidor 

O Tesouro Direto é uma boa sugestão para investidores conservadores, já que costuma ser de baixo risco. Entretanto, também é uma opção viável aos mais ousados. Para Bona, é essencial identificar o perfil do investidor, para que ele possa ser direcionado a escolher o título ideal.

Para investidores conservadores, mas que aceitam certa imprevisibilidade para evitar perdas, é sugerido o Tesouro Selic, já que a taxa Selic é positiva e este é visto como o investimento mais seguro dentre os títulos públicos pós-fixados. Para os mais moderados e ousados, o Tesouro IPCA pode ser uma boa opção, por sua volatilidade e capacidade de rendimento.

Leia também: Simba fecha acordo com Sky: RedeTV!, Record e SBT devem voltar para TV em breve

Em relação aos investimentos de médio prazo, de dois a cinco anos, o Tesouro prefixado é uma alternativa.  Já para investimentos de longo prazo, acima de cinco anos, o Tesouro IPCA é o mais indicado.

3. Definição de objetivos 

Para escolher o título ideal é preciso levar em consideração o objetivo de seu investimento, principalmente por conta do resgate. Se o complemento de renda atual é o principal intuito, títulos com juros semestrais podem ser interessantes. Dependendo do quanto será investido, se a rentabilidade se mostrar adequada após descontar o Imposto de Renda de cada cupom, também pode se tornar uma possibilidade de conseguir rendimentos complementares para ajudar nas despesas semestrais ou mensais, caso haja a compra de 12 títulos como esse.

4. Fazer contas

Para ter sucesso não só nos investimentos da Bovespa, mas em geral, é fundamental se atentar a matemática. Através dela pode-se acompanhar a rentabilidade após a incidência do Imposto de Renda. Vale mencionar que a alíquota de IR obedece a uma tabela progressiva que segue o prazo de resgate do título. Para valores resgatados em aplicações de até 180 dias, a alíquota é de 22,5%. Para as de 180 até 360 dias, a taxa é de 20%. De 361 a 720 dias, 17,5%. Acima de 720 dias, 15%. Assim, torna-se necessário o alinhamento do objetivo do investidor ao cálculo da rentabilidade depois do desconto do IR, buscando analisar se o investimento realmente vale a pena.

Leia também: Miniso desembarca no Brasil para concorrer com a Daiso

    Leia tudo sobre: Bovespa