Tamanho do texto

A confiança do consumidor dividiu opiniões entre as faixas de renda, sendo a maior queda observada em famílias com renda entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800

Brasil Econômico

ICC da FGV apresenta queda de 1,1 ponto em agosto
shutterstock
ICC da FGV apresenta queda de 1,1 ponto em agosto

O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) divulgou nesta sexta-feira (25) os resultados do Índice de Confiança do Consumidor ( ICC ), que caiu 1,1 ponto no mês de agosto. Com o recuo, o índice passou para 80,9 pontos, considerando os dados dessazonalizados. Após a terceira queda seguida, o ICC atingiu o menor nível desde janeiro passado, quando marcou 79,3 pontos.

Leia também: 13º salário: aposentados e pensionistas recebem 1ª parcela do benefício

“Apesar de uma melhora na avaliação da situação financeira familiar presente, possivelmente relacionada com a desaceleração nos preços de alimentos, o consumidor continua com prognóstico pessimista em relação aos próximos meses, principalmente no que concerne à evolução da economia. Ainda há incerteza em relação ao futuro e por isso muita cautela nos gastos com compras a prazo, em um ambiente que o comprometimento de renda e o desemprego são ainda elevados“, afirmou a coordenadora da Sondagem do Consumidor do Ibre/ FGV , Viviane Seda Bittencourt.

Outros índices

Também em agosto, houve recuperação de uma parte da satisfação dos consumidores em relação à situação atual, perdida nos últimos quatro meses, além da piora nas expectativas acerca do futuro próximo. O Índice de Situação Atual (ISA) apresentou alta de 1 ponto, ao passar de 69,7 para 70,7 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) registrou baixa de 2,5 pontos, indo para 88,9 pontos – pior nível do indicador desde janeiro, quando alcançou 88,1 pontos.

É importante expor que o Índice de Confiança deste mês foi influenciado, principalmente, pelos indicadores referentes a situação financeira das famílias. As percepções acerca das finanças familiares no momento atual se tornaram mais favoráveis, o que contribuiu para o bom desempenho do ISA.

Leia também: Juros do rotativo do cartão de crédito caem para bons pagadores; veja

Vale lembrar que o indicador de situação financeira atual das famílias também cresceu 2,4 pontos, indo de 63 para 65,4 pontos. Em contrapartida, em seis meses, os consumidores se mostraram mais pessimistas, o que foi sinalizado pela retração de 4,6 pontos no indicador de situação financeira futura, passando para 86,9 pontos.

Os consumidores permaneceram pessimistas em relação a situação econômica. Com isso, o indicador que mede o grau de satisfação com a situação econômica futura, decresceu 1,9 ponto frente ao mês anterior para 105 pontos, menor taxa desde dezembro de 2016, quando registrou 102,2 pontos.

De acordo com a FGV, a confiança dividiu os comportamentos entre as faixas de renda . A maior queda foi para as famílias com renda entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800, com variação negativa de 3,9 pontos.  Já para as famílias com renda entre R$ R$ 4.800,01 e R$ 9.600, o nível acresceu, depois de cair por quatro meses consecutivos.

Leia também: Seguir o modelo econômico da Nova Zelândia pode ser uma saída para o Brasil