Tamanho do texto

Com o fluxo de demissão menos intenso na indústria, o índice de evolução do número de empregados apresentou o maior patamar desde março de 2014

CNI aponta que indústria estima encerrar o ritmo de demissões
shutterstock
CNI aponta que indústria estima encerrar o ritmo de demissões

De acordo com a Sondagem Industrial, divulgada nesta terça-feira (22) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), os empresários do setor industrial estão diminuindo as vagas de emprego, porém em um ritmo menor.  Com isso, o índice de evolução do número de empregados atingiu o maior patamar desde março de 2014.

Leia também: Pelo 3º ano consecutivo, desemprego reflete no aumento da inadimplência

Os indicadores da pesquisa da CNI apresentam uma variação de zero a 100 pontos, sinalizando queda na produção e no emprego quando registrado pontuação inferior a 50 pontos. Já o índice de evolução do número de empregados alcançou 48,2 pontos.

Se levada em consideração somente as indústrias de grande porte, o indicador de evolução do número de empregados registrou 49,5 pontos. Para a Confederação, o dado expõe que os cortes de pessoal no mês de julho foram interrompidos nessas empresas.

O levantamento ainda apontou que após 27 meses, a indústria estima encerrar as demissões. Em relação ao indicador de expectativas abrangente ao número de empregados, o resultado atingiu os 49,4 pontos em agosto, ficando próximo a divisória de 50 pontos. Com isso, há evidencias de que as perspectivas acerca do emprego apresentaram uma melhora no período.

Outros índices

O índice de evolução da produção acresceu para 50,5 pontos em julho, ultrapassando a linha dos 50 pontos. Segundo o estudo, isso representa estabilidade na produção industrial. Para as indústrias de grande porte, o indicador de evolução da produção ficou em 53,3 pontos.

Leia também: FGTS registra o melhor resultado da história, com lucro de R$ 14,55 bilhões

Entretanto, também foi apontado um excesso de estoques e elevação da ociosidade. O índice de evolução de estoques registrou o maior valor desde dezembro de 2015, com 51 pontos. O indicador está acima dos 50 pontos, mostrando que os estoques permanecem superiores ao planejado pelas empresas. Enquanto o indicador de utilização da capacidade instalada ficou com o mesmo percentual de julho do ano passado, com 65%.

Mesmo com esse dado, as expectativas dos empresários permaneceram favoráveis para os próximos seis meses, com a espera do aumento da demanda, da compra de matérias-primas e das exportações. Já o indicador de expectativas de demanda aumentou para 56,4 pontos - maior valor desde abril de 2014.

Com a melhora das expectativas, os empresários também estão com mais intenção de investir. Isso foi reforçado pela alta de 1,3 ponto no índice de intenção de investimento em agosto, alcançando o maior valor desde março de 2015, com 47,9 pontos.

Metodologia

Esta edição da Sondagem Industrial da CNI foi feita com 2.930 empresas industriais brasileiras, de 1 a 10 de agosto. Dessas, 994 são pequenas, 865 são médias e 531 são de grande porte.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Política da Renda Básica Universal conquista mais um do Vale do Silício; veja