Brasil Econômico

Brasil Econômico

Nesta quinta-feira (17) o Tesouro Nacional divulgou o Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais. O balanço aponta que o deficit previdenciário dos estados do Brasil obteve alta de 10% no ano de 2016. O que equivale em valores, de R$ 76,672 bilhões em 2015, para R$ 84,463 bilhões no ano passado.

Leia também: Pagamento do PIS/Pasep começa nesta quinta-feira; veja quem tem direito

undefined
Agência Brasil
Deficit: O estado que apresentou a maior discrepância numérica do órgão federal foi São Paulo, onde a diferença chegou a ser de R$ 17 bilhões

De acordo com o Tesouro Nacional, a elevação considerável do deficit é apenas um sintoma da insustentabilidade dos regimes de previdência sociail estaduais, já que cada vez o consumo dos recursos financeiros desses locais é maior. Além disso, o documento apresentado aponta que esses valores poderiam ter sido revertidos em ampliação de serviços básicos de benefícios voltados para a sociedade como um todo.

Leia também: Reforma Trabalhista: Home office, contrato intermitente e terceirização

Desarmonia matemática

Enquanto os governos regionais apontaram para um rombo aproximado de R$ 55 bilhões, o Tesouro Nacional concluiu o total de R$ 84,463 bilhões. A diferença entre os cálculos pronunciados chega a ser de R$ 29,5 bilhões.

Mas por que uma diferença tão grande? De acordo com o Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais, talvez um dos motivos pela desarmonia dos valores apresentados entre as partes seja porque a metodologia de cálculo adotada pelo Tesouro tem como base os ajustes necessários, para que, desta forma, seja apurado o custo real dos inativos e pensionistas para o Tesouro local, do estado.

Leia também: IBGE: taxa de desocupação recua, com 26,3 milhões de brasileiros fora do mercado

São Paulo tem maior discrepância

O estado que apresentou a maior discrepância numérica do órgão federal foi São Paulo, onde a diferença  do deficit foi aproximadamente de R$ 17 bilhões. “Isso é fruto da forma como esse estado apresenta o repasse de recursos para a cobertura do defict previdenciário, tratando-o como um tipo de contribuição patronal suplementar para o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), o que acaba melhorando seu resultado”, diz o documento divulgado pelo Tesouro Nacional desta quinta-feira( 17).

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários