Tamanho do texto

Segundo a Presidência, quando Temer declarou que existem estudos para elevar o IR, ele fez "menção genérica" a estudos que estão em andamento

Temer admitiu estudos do governo para aumento do IR após participação no  27º Congresso Fenabrave nesta terça-feira (8)
Agência Brasil
Temer admitiu estudos do governo para aumento do IR após participação no 27º Congresso Fenabrave nesta terça-feira (8)

O Palácio do Planalto divulgou nesta terça-feira (8) uma nota em que o governo descarta enviar ao Congresso Nacional projeto para aumentar a alíquota do Imposto de Renda da Pessoa Física. A possibilidade de elevação provocou reação negativa de integrantes da base aliada e de outros setores.

Leia também: Skaf diz ser contra qualquer aumento de impostos após encontro com Meirelles

De acordo com a Presidência, quando o presidente Michel Temer declarou que existem estudos para elevar o IR, ele fez uma "menção genérica" a estudos em andamento no governo .  “A Presidência da República não encaminhará proposta de elevação do Imposto de Renda ao Congresso Nacional. O presidente Michel Temer fez hoje menção genérica a estudos da área econômica, que são permanentemente feitos”, diz trecho da nota. O Planalto diz que os estudos são “focados prioritariamente em reduzir despesas e cortar gastos, na tentativa obstinada de evitar o aumento da carga tributária brasileira”.

Após ter participado da abertura do 27º Congresso Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) nesta terça-feira, Temer admitiu a existência de estudos sobre o aumento da alíquota do Imposto de Renda, mas afirmou que não há nada decidido. "Há estudos, os mais variados estudos, estudos que se fazem rotineiramente. A todo o momento a Fazenda, o Planejamento, os setores da economia, fazem esses estudos. E este é um dos estudos que está sendo feito, mas nada decidido", afirmou na capital paulista.

Leia também: Brasil gastou R$ 723 bilhões com subsídios para o setor privado em 10 anos

Por sua vez, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou os estudos, porém disse que não foram trazidos para sua análise. "Quando se ouve essa questão de estudos é uma questão de transparência. Acho que isso deve ser falado para sentir a reação da sociedade. Evidentemente que uma reação forte é normal, legítima e correta. As pessoas têm que se manifestar mesmo. Mas às vezes posso concordar com uma reação, ou não. Essa é uma questão de opinião pessoal. Mas é importante que se tenha uma reação", disse o ministro.

A possibilidade de aumentar a alíquota do IR foi criticada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado do governo. Segundo Maia, uma eventual proposta desse tipo “não passa na Câmara”.

Leia também: Lucro de R$ 7 bilhões do FGTS será divido entre os trabalhadores, diz Temer

Além disso, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, também, em nota, criticou a possibilidade, ressaltando que há uma “enorme defasagem” que “já pune reiteradamente o contribuinte”. “No momento em que enfrentamos um altíssimo índice de desemprego, apresentar aumento de tributos da forma que vem sendo feito pelo governo é impor mais prejuízos aos cidadãos que já sofrem na conjuntura atual”, disse o presidente da OAB.

*Com informações da Agência Brasil

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.