Uma boa parte dos recursos liberados de contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) foi usada para quitar dívidas. Segundo estudo divulgado nesta segunda-feira (17) pelo Ministério do Planejamento, 36% do valor total destinado aos trabalhadores foi usado para pagar contas. O levantamento tenta identificar os efeitos causados pela decisão do governo de permitir o saque de contas para quem foi desligado da empresa por justa causa ou pediu demissão até 31 de dezembro de 2015.

Leia também: Reforma trabalhista torna educação financeira obrigatória, diz especialista

A referência para a pesquisa vem, principalmente, de dados da Caixa Econômica Federal, que apontam a injeção de R$ 41,8 bilhões na economia com a liberação de valores das contas inativas do FGTS entre os dias 10 de março e 12 de julho. Os saques foram efetuados a partir de, aproximadamente, 25 milhões de contas inativas, superando a expectativa inicial, que previa a realização de apenas 70% deste valor.

De acordo com dados da Caixa Econômica Federal, saques de contas inativas do FGTS já movimentaram R$ 41,8 bilhões
Tomaz Silva/Agência Brasil - 10.3.2017
De acordo com dados da Caixa Econômica Federal, saques de contas inativas do FGTS já movimentaram R$ 41,8 bilhões

Leia também: Ex-funcionária é indenizada em R$ 20 mil por estresse constante no trabalho

Segundo o Banco Central , houve uma redução do uso do cheque especial em 4,5% no mês de abril. No mesmo período, o uso do cartão de crédito caiu de 15,7% para 5,7%. Ainda de acordo com o levantamento, houve uma redução do endividamento das famílias após o início dos saques do FGTS , passando de 23,4% da renda, em março, para 23,2% da renda em abril. Os percentuais não consideram endividamentos relacionados ao crédito habitacional.

Você viu?

Para apontar os sinais positivos após a liberação dos recursos do fundo de garantia, o Ministério do Planejamento usou dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que indicam recuo de 2,4% do endividamento das famílias na comparação com março de 2016. Ainda de acordo com a pesquisa, 80% do valor dos saques do FGTS foram utilizados em três segmentos: vestuário e calçados; hiper e supermercados; e móveis e eletrodomésticos.

Em seu relatório, o governo também apontou indicadores da Associaçnao Brasileira de Supermercados (Abras) indicando que, em abril, as vendas dos supermercados cresceram 6,3% na comparação com abril. Em maio, o aumento mensal ficou em 1,1%. Os dados da Associação Brasileira da Indústrias de Eletroeletrônicos (Abinee) apontam alta média de 20% nas vendas de celulares entre março e maio, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Leia também: Mais de 24 milhões de trabalhadores sacaram o FGTS; prazo termina dia 31

Já os dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) foram usados para apontar que a liberação das contas inativas do FGTS contribuiu para que o total de licenciamentos de carros novos feitos em abril registrassem aumento de 7% na comparação com o mesmo período de 2016. Os percentuais aumentam para 11,5% e 18,9% nos meses de maio e junho, respectivamente.

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários