Balanço da Caixa Econômica Federal apontou que R$ 41,8 bilhões foi o valor retirado das contas inativas desde a liberação do benefício no começo do ano

Brasil Econômico

Balanço prévio da Caixa Econômica Federal apontou que mais de 24,8 milhões de trabalhadores sacaram o saldo de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O valor foi computado até o dia 12 de julho e o valor entregue aos trabalhadores chegou a R$ 41,8 bilhões, sendo 96% do total de R$ 43,6 bilhões, que foram disponibilizados para saque.

Leia também: Receita paga hoje segundo lote de restituição do Imposto de Renda

Os saques das contas inativas do FGTS começaram no dia 10 de março e terminam no dia 31 deste mês
Fábio Rodrigues Pozzebom/Arquivo/Agência Brasil
Os saques das contas inativas do FGTS começaram no dia 10 de março e terminam no dia 31 deste mês


O profissional que não sacou o FGTS , pois foi desligado da empresa por justa causa ou pediu demissão até o dia 31 de dezembro de 2015, tem até o dia 31 de julho para resgatar o valor em uma das agências da Caixa Econômica Federal . Foi informado ainda que o número de trabalhadores que sacaram os recursos das contas do Fundo de Garantia representa 82% das 30,2 milhões de pessoas beneficiadas pela medida.

A Caixa informou ainda que no estado de São Paulo, mais de 8 milhões de trabalhadores já sacaram os recursos disponíveis nas contas inativas até o momento. O valor injetado na economia chegou a R$ 17,6 bilhões.

Leia também: Elevação do salário mínimo irá gerar impacto de R$ 12,7 bilhões ao governo

Uso do dinheiro

O brasileiro tem até o dia 31 deste mês para retirar o benefício, e pesquisa realizada pela Boa Vista SCPC , apontou que muitos dos que já sacaram o valor utilizaram o mesmo para quitar dívidas. Dos entrevistados pela Boa Vista, 21% afirmaram que a prioridade foi o pagamento das faturas do cartão de crédito em atraso.

Foi identificado ainda que 16% dos que tinham direito ao saque do valor optaram por pagar as contas de concessionárias, como água, luz, gás.  Outros 10% arcaram com o pagamento de empréstimo pessoal e consignado, assim como outros 10% que quitaram dívidas com o cartão de loja.

Do total dos trabalhadores entrevistados, 52% afirmaram ter direito ao saque de recursos das contas inativas do FGTS. Destes contemplados, antes do saque, 57% tinham em mente o pagamento de dívidas como o principal destino do recurso extra do Fundo de Garantia . Outros 17% pretendiam guardar o dinheiro e 11% antecipar o pagamento de contas e outras dívidas não atrasadas.

Mesmo com a intenção de pagar as contas em atraso e evitar permanecer inadimplentes, apenas 14% dos entrevistados para pesquisa da Boa Vista conseguiram quitar todas as dívidas em atraso usando o saldo inativo do FGTS. Das contas que ficaram pendentes, o cartão de crédito representa 25%, empréstimo pessoal/consignado  com 12%, cartão de loja  com 10%, crediário com 9%, contas de concessionárias  com 8% e o cheque especial  com 8% das menções pelos entrevistados.

Leia também: Reforma trabalhista: vejas as mudanças que mais impactam os profissionais

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.