Tamanho do texto

De acordo com o IBGE, a população desocupada cresceu 20,4% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, com 2,3 milhões de pessoas a mais

Brasil Econômico

IBGE: O rendimento médio real habitual foi apontado em R$ 2.109 no trimestre terminado em maio deste ano, mantendo-se estável frente aos R$ 2.102 do tri anterior e em relação aos R$ 2.062 do mesmo período de 2016
iStock
IBGE: O rendimento médio real habitual foi apontado em R$ 2.109 no trimestre terminado em maio deste ano, mantendo-se estável frente aos R$ 2.102 do tri anterior e em relação aos R$ 2.062 do mesmo período de 2016

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira (30) que na passagem março-abril-maio deste ano, a taxa de desocupação foi estimada em 13,3%. O resultado foi considerado estável se comparado ao trimestre dezembro-janeiro-fevereiro, porém 2,1 pontos percentuais maior frente ao mesmo trimestre do ano passado, quando marcou 11,2%.  Além disso, esta foi a maior taxa de desocupação para o trimestre encerrado em maio desde o início da série da pesquisa, no primeiro trimestre de 2012.

Leia também: Proposta da Kroton para comprar a Estácio é reprovada no Cade; entenda

De acordo com o IBGE , a população desocupada permaneceu estável ante ao trimestre anterior, com 13,8 milhões. Porém houve crescimento de 20,4% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, com 2,3 milhões de pessoas a mais. A população ocupada também apresentou estabilidade, com 89,7 milhões, em relação ao trimestre anterior, mas retraiu 1,3% se comparada ao mesmo trimestre de 2016, com menos 1,2 milhão de pessoas.

Nível de ocupação

A estabilidade ainda foi observada no nível da ocupação, que diz respeito ao percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, que ficou em 53,4%. Em relação ao nível de ocupação do mesmo trimestre do ano passado, que foi de 54,7%, houve queda de 1,3 ponto percentual. É importante ressaltar que este foi o menor nível da ocupação observado para o trimestre desde o início da série, iniciada no primeiro trimestre de 2012.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada, estimado em 33,3 milhões, reduziu 1,4% frente ao trimestre dezembro-janeiro-fevereiro, com 479 mil pessoas a menos. Já no confronto com o trimestre de março a maio de 2016, o decréscimo foi de 3,4%, com redução de 1,2 milhão de pessoas.

O rendimento médio real habitual foi apontado em R$ 2.109 no trimestre terminado em maio deste ano, mantendo-se estável frente aos R$ 2.102 do trimestre anterior e em relação aos R$ 2.062 do mesmo período do ano passado.  A massa de rendimento real habitual foi de R$ 184,4 bilhões.

A força de trabalho, abrangente à pessoas ocupadas e desocupadas, foi de 103 milhões de pessoas no trimestre de março a maio de 2017. Com isso, esta população apresentou um avanço de 0,6% em comparação ao trimestre de dezembro a fevereiro deste ano. Frente ao mesmo trimestre do ano anterior houve acréscimo de 1,1%, ou seja, de 1,2 milhão de pessoas. É importante destacar que o crescimento observado da força de trabalho no País se deu principalmente por conta da alta da desocupação nos últimos anos.

O contingente fora da força de trabalho no trimestre de março a maio de 2017 foi estimado em 64,4 milhões de pessoas, o que evidencia um período estável em relação ao trimestre de dezembro a fevereiro de 2016. Enquanto se comparado ao mesmo trimestre do ano anterior, se é notado um aumento de 0,9%, com 569 mil pessoas a mais.

Ainda no período de março a maio de 2017, a categoria dos empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada foi de 10,5 milhões de pessoas, registrando alta de 2,2% se comparada ao trimestre anterior. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, o aumento foi de 4,1%, com um adicional estimado em 409 mil pessoas.

Trabalhadores autônomos

A categoria dos trabalhadores por conta própria, formada por 22,4 milhões de pessoas, foi outra a expor estabilidade no período comparativo a dezembro-janeiro-fevereiro. Contudo, se levado em consideração o mesmo período do ano anterior, o movimento foi de queda, com recuo de 2,6%, ou seja, 599 mil pessoas a menos.

O contingente de empregadores, que abrange 4,1 milhões de pessoas, mostrou-se estável frente ao trimestre imediatamente anterior, além de registrar um acréscimo de 9,3%, com 351 mil pessoas a mais, se comparado ao mesmo período de 2016. A categoria dos trabalhadores domésticos, estimada em 6,1 milhões de pessoas, também se manteve equilibrada em ambos os trimestres comparativos.

Leia também: Direitos trabalhistas: veja em quais situações há perda das férias remuneradas

Grupamento de atividades

No que se diz respeito ao contingente de ocupados, segundo os grupamentos de atividade do trimestre móvel de março a maio deste ano, houve queda na construção, com baixa de 3,9% ou 271 mil pessoas a menos. Por outro lado, a indústria geral cresceu 3% ou 344 mil pessoas, assim como alojamento e alimentação, com 2,9%, ou mais 144 mil pessoas. Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais também avançou, com mais 1,9% ou alta de 287 mil pessoas. Os demais grupamentos não variaram significativamente.  

Se comparado ao trimestre de março a maio de 2016, houve redução nos seguintes grupamentos: construção, com retração de 10,6% ou menos 793 mil pessoas, agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e agricultura, com queda de 7,3% ou 684 mil pessoas e serviços domésticos, com diminuição de 3,2% ou 203 mil pessoas. Em contrapartida, verificou-se aumento nos grupamentos: alojamento e alimentação, com 12,5% ou mais 568 mil pessoas e outros serviços, com 6,2% ou mais 257 mil pessoas.

A pesquisa mostrou que nos demais grupamentos não houveram variações consideráveis, uma vez que apenas em comparação com  o trimestre de março a maio de 2016, o grupamento agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura apresentou elevação da renda média de 7,8%, enquanto os demais grupamentos se mantiveram estáveis.

Já o rendimento médio real habitual variou positivamente em comparação ao trimestre anterior apenas para os trabalhadores domésticos, com 1,5%. Os demais grupamentos apresentaram os mesmos resultados, assim como as posições na ocupação do mesmo trimestre do ano passado.

De acordo com o levantamento, a massa de rendimento real habitualmente recebido em todos os trabalhos pelas pessoas ocupadas foi estimada, para o trimestre móvel de março a maio de 2017, em R$ 184,4 bilhões de reais, o que mais uma vez aponta estabilidade tanto frente ao trimestre de dezembro a fevereiro deste ano, quanto frente ao mesmo trimestre do ano anterior.

Metodologia

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Mensal do IBGE é elaborada através de uma amostra de domicílios, retirada de uma amostra mestra que garante a representatividade dos resultados para os diferentes níveis geográficos. A cada trimestre, são investigados 211.344 domicílios particulares permanentes, em aproximadamente 16.000 setores censitários que estão distribuídos em 3.500 municípios.

Leia também: Prazo para sacar PIS/Pasep ano-base 2015 será prorrogado; confira

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.