Tamanho do texto

Gestão da Telefônica foi vista como prejudicial aos trabalhadores, “expondo-os a constrangimentos, atentando contra a honra, saúde e a dignidade”

TST concede recurso a atendente da Telefônica que comprovou dano moral por restrição de uso ao banheiro por parte da empresa
shutterstock
TST concede recurso a atendente da Telefônica que comprovou dano moral por restrição de uso ao banheiro por parte da empresa

Uma atendente da Telefônica Brasil S.A., no Paraná, conseguiu  recurso após comprovar para a Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a restrição ao uso de banheiro pela empresa a qual prestava serviços. De acordo com a Turma, a entidade extrapolou os limites do poder diretivo do empregador, também ofendendo a dignidade da funcionária.  Em argumentação, a Telefônica alegou que a determinação integrava o Programa de Incentivo Variável (PIV), que conferia uma maior pontuação para o empregado que ficasse menos tempo no banheiro.

Leia também: Bradesco: trabalhadora receberá R$ 20 mil por ter privacidade violada; entenda

Desse modo, a decisão da Quarta Turma do TST desconsiderou o entendimento do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR) de que não houve o impedimento e restrições à frequência de uso ao banheiro por parte da empresa. De acordo com a assimilação do TRT, os empregados deveriam apenas efetuar pausas se atentando ao tempo destinado para tal necessidade, justamente para que o atendimento continuasse ocorrendo regularmente, a fim de evitar eventuais picos de acúmulo de ligações.

Condenação

Diante do ocorrido, a Turma considerou que o sistema de gestão executado pela Telefônica era prejudicial aos empregados, “expondo-os a constrangimentos, atentando contra a honra, a saúde e a dignidade do trabalhador”. Para a relatora, ministra Maria de Assis Calsing, o controle e a fiscalização do uso dos toaletes não podem ser vistos como uma medida razoável, independentemente da atividade desenvolvida pelo funcionário. Segundo o processo, o sugerido pela empresa era de que a utilização dos sanitários não ultrapassasse cinco minutos. “Trata-se de questão fisiológica, que nem sequer pode ser controlada pelo indivíduo”, afirmou.

Leia também: Ações trabalhistas: crise exige maior cautela na hora da demissão

Com a condenação da Telefônica, a atendente receberá R$5 mil. A ministra ainda ressaltou que para se chegar ao valor da indenização, foram considerados o tempo de contrato de trabalho, a remuneração mensal da operadora, a gravidade do dano, o grau de culpa do ofensor e sua condição econômica, assim como o caráter pedagógico da medida.

Processo

Vale lembrar que o TST conta com oito Turmas julgadoras, onde cada uma é composta por três ministros que analisarão recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Entretanto, há casos que ainda podem recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1).

Leia também: Funcionário que mentiu sobre uso de vale- transporte perde ação trabalhista

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.