Tamanho do texto

Executivo passa por problemas pessoais após a morte de sua mãe e a empresa está envolvida em sérias denúncias de assédio sexual; leia mais

Travis Kalanick, CEO do Uber, informou que está se afastando da empresa
shutterstock
Travis Kalanick, CEO do Uber, informou que está se afastando da empresa


Os escândalos envolvendo condutas antiprofissionais de funcionários do escritório que gerencia  o aplicativo de motorista particular – Uber – e uma recente tragédia familiar fez com que o CEO da operação, Travis Kalanick, informasse a sua saída, por tempo indeterminado, do comando da empresa. O executivo comunicou os funcionários por e-mail de seu afastamento na tarde desta terça-feira (13).

 Leia também: Deficit primário projetado pelo Governo cai para R$ 142,051 bilhões

Em reunião do conselho de administração ocorrida recentemente, foi acordado que Kalanick teria outras funções na empresa e especulações davam como certa que os conselheiros analisavam o afastamento do CEO. Mesmo com as novas funções o executivo optou pelo seu afastamento, o que pode trazer mais problemas de imagem para o Uber . A empresa vem enfrentando uma série de problemas, sendo que o que mais chamou a atenção foi o escândalo envolvendo denuncias de assédio sexual.  

No final do mês de maio, o então CEO da Uber sofreu uma perda irreparável. Sua mãe faleceu após um grave acidente e seu pai ficou ferido após o ocorrido. Em seu e-mail de despedida, o ex-executivo Travis Kalanick afirmou que por oito anos a empresa foi sua vida, porém após enterrar a sua mãe, ele sentiu necessidade de parar para poder viver o luto da perda tão recente.

Kalanick deixou subentendido que sua saída é temporária ao afirmar no e-mail enviado nesta terça-feira (13) aos colaboradores da empresa. “É difícil colocar uma linha do tempo... pode ser mais curto do que imaginamos”.  O executivo afirmou ainda seu sofrimento ao perder a mãe tão recente e de forma não trágica. “Perder uma pessoa amada de maneira tão trágica tem sido difícil pra mim e eu preciso me despedir de forma adequada”, disse ele.

Leia também: Especialista aponta 10 dicas para o consumidor na hora de pedir descontos; veja

Problemas

No dia 6 deste mês a empresa, que tem sede em San Francisco, nos Estados Unidos, informou o desligamento de 20 profissionais, após consultoria de um grande escritório de advocacia dos Estados Unidos, o Perkins Coie, ter identificado em analise no escritório da empresa casos de assédio sexua l, discriminação, bullying, entre outras ações que estavam prejudicando a imagem da empresa perante os funcionários.

A consultoria identificou durante sua investigação no escritório de São Francisco que das 215 denúncias sobre a empresa, 54 estão relacionadas a casos de discriminação, outras 47 de assédio sexual, 45 de conduta tida como antiprofissional, 33 relacionadas a assédio moral e outras 33 com diferentes alegações de condutas não profissionais.

Situação financeira

A empresa tem enfrentado ainda dificuldades para manter a lucratividade da empresa. No balanço do primeiro trimestre o Uber teve prejuízo de US$ 708 milhões ante US$ 991 milhões nos três primeiros meses do ano passado e mesmo com o lucro no quarto trimestre, a queda no faturamento impactou a empresa.

*Com informações de agência internacional BBC

Leia também: Natura faz oferta de 1 bilhão de euros para comprar a The Body Shop

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.