Tamanho do texto

Para Ilan Goldfajn, porém, redução pontual do IPCA tem pouca influência em decisões do Comitê de Política Monetária sobre corte da taxa básica de juros

A redução dos preços de combustíveis e o retorno da bandeira verde nos preços da energia elétrica podem contribuir com a redução em 0,3 ponto percentual a inflação medida pelo Ínidice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo ( IPCA ). A estimativa é do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, que participou nesta sexta-feira (9) de reunião promovida pela Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB), em São Paulo.

Leia também: IBGE: inflação oficial de maio fica em 0,31%, menor resultado em 10 anos

Apesar da projeção sobre a inflação , Goldfajn disse que "essas oscilações pontuais não têm implicação relevante" para as decisões do Comitê de Poltítica Monetária ( Copom ) sobre a Selic , a taxa básica de juros. O presidente do BC considerou adequada a redução moderada no ritmo de cortes na Selic, conforme sinalizado recentemente em relatório divulgado na terça-feira (6).

Segundo Ilan Goldfajn, projeções de inflação para 2017 apontam para continuidade de ciclo de cortes na Selic
Beto Nociti/BCB - 6.6.17
Segundo Ilan Goldfajn, projeções de inflação para 2017 apontam para continuidade de ciclo de cortes na Selic

Leia também: Bradesco: trabalhadora receberá R$ 20 mil por ter privacidade violada; entenda

No dia 31 de maio, o Copom anunciou a redução da Selic em 1 ponto percentual, passando para 10,25% ao ano. Com a decisão, a taxa básica de juros atingiu o menor patamar desde janeiro de 2014, quando estava em 10% ao ano. O Copom vem anunciando reduções consecutivas na Selic desde outubro do ano passado.

Projeções de inflação

Para Goldfajn, projeções de inflação um pouco abaixo da meta de 2017, em torno do previsto para 2018 e elevados níveis de ociosidade na economia apontam para a continuação do ciclo de cortes da taxa Selic, já considerando os atuais riscos. A meta do governo para este ano é manter o IPCA em 4,5% com margem de erro de 1,5% para mais ou para menos.

Goldfajn disse que a crise política aumentou a incerteza dos agentes econômicos em relação à "velocidade de adoção das reformas e de ajustas na economia". "Mas a economia brasileira apresenta hoje uma maior capacidade de absorver eventual revés, devido à situação mais robusta de seu balanço de pagamentos e ao progresso no processo desinflacionário e na ancoragem das expectativas", afirmou.

Leia também: PMEs parcelaram mais de R$ 20 bilhões de dívidas com a Receita Federal

"A atividade econômica dá sinais de estabilização no curto prazo e perspectiva de recuperação, mas a retomada da economia pode ser mais ou menos demorada e gradual do que a antecipada". Para o presidente do BC, a elevada incerteza sobre o andamento de reformas e ajustes na economia pode ter impacto sobre a atividade econômica e a inflação.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas