Tamanho do texto

Dólar comercial terminou o dia cotado em R$ 3,38 na venda; Ibovespa encerrou o dia com queda de 8,8%, a maior desde outubro de 2008

Brasil Econômico

O dólar comercial fechou esta quinta-feira (18) em forte alta, cotado em R$ 3,38 na venda. A cotação representa uma alta de 7,9% da moeda, equivalente a maior alta desde 1999, quando houve maxidesvalorização do câmbio, segundo a agência de notícias "Reuters". O resultado foi registrado após a divulgação dos conteúdo das delações premiadas dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS, controlador do frigorífico Friboi.

Leia também: Economia emperra após acusações contra Michel Temer, diz especialista

Nos depoimentos, os empresários afirmam que o presidente Michel Temer teria autorizado o pagamento de uma mesada para garantir o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Em encontro gravado em áudio, Joesley teria informado ao presidente que estava pagando uma quantia para Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro. Temer, por sua vez, teria incentivado a estratégia: "tem que manter isso, viu?". Em nota sobre a situação do dólar e da Bolsa, o Banco Central afirmou que está atuando para manter a funcionalidade do mercado.

Em nota sobre a situação do dólar, o Banco Central afirmou que está atuando para manter a funcionalidade do mercado
Agência Brasil
Em nota sobre a situação do dólar, o Banco Central afirmou que está atuando para manter a funcionalidade do mercado

Leia também: Indicadores econômicos devem ser revistos com crise atual do governo

"O Banco Central está monitorando o impacto das informações recentemente divulgadas pela imprensa e atuará para manter a plena funcionalidade dos mercados. Esse monitoramento e atuação têm foco no bom funcionamento dos mercados. Não há relação direta e mecânica com a política monetária, que continuará focada nos seus objetivos tradicionais".

Ibovespa

A Bolsa de Valores de São Paulo (BM&F Bovespa) fechou o pregão desta quinta-feira (18) em forte queda. O principal índice da bolsa, o Ibovespa, encrerrou o dia com retração de 8,8%, com 61.597 pontos. Esta foi a maior queda desde 22 de outubro de 2008, quando a bolsa registrou retração de 10,18% devido à crise internacional vivida naquele período.

Leia também: BC anuncia terceira intervenção no mercado de câmbio nesta quinta-feira

Às 10h21, o pregão da Bolsa registrou queda de 10,47% e foi suspenso por meia hora. A estratégia, conhecida como  circuit breaker , é utilizada para paralisar as negociações quando são registradas quedas significativas. As ações que mais caíram nesta quinta-feira (18) foram Eletrobras ON (-20,9%), Cemig PN (-20,4%) e Eletrobras PNB (-16,9%). As ações da JBS desvalorizaram 9,68%. O volume de ações negociadas ficou em R$ 24,5 bilhões.

* Com informações da Agência Brasil.