Tamanho do texto

Com nove horas de trabalho contínuo, ex-funcionário da Votorantim Metais S.A, atual CBA, receberá horas extras devido a irregularidade no intervalo

Brasil Econômico

Votorantim Metais S.A , atual CBA, é condenada a pagar horas extras a funcionário
shutterstock
Votorantim Metais S.A , atual CBA, é condenada a pagar horas extras a funcionário

A empresa Votorantim Metais S.A, não conseguiu, perante a Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), converter a condenação ao pagamento de horas extras a um ex-funcionário, uma vez que seu intervalo intrajornada era dado de maneira irregular.

Leia também: Confira cinco pontos importantes para entender o pagamento de horas extras

De acordo com o Tribunal Superior do Trabalho, o ex-funcionário da Votorantim Metais  S.A cumpria uma jornada de 12 horas por turno, com intervalo logo depois da segunda hora de trabalho, o que segundo o TST vai contra a norma do artigo 71 da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), que assegura ao trabalhador um intervalo o qual possa recuperar suas forças para que depois, retorne as suas atividades, não comprometendo assim, a sua saúde física e mental.

Desdobramento do caso

A jornada de trabalho que ia das 19h às 7h, com pausa de uma hora entre as 21h e 22h, evidenciou um período de nove horas de trabalho contínuo, depois do intervalo intrajornada.  A tese utilizada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região para condenar a empresa, foi que nessas condições, a concessão do intervalo é equivalente ao seu cancelamento, já que retira do trabalhador o direito de descanso durante sua jornada.

No recurso ao TST, a Votorantim afirmou que na norma não há uma exigência para que o intervalo seja no meio da jornada, e que, portanto, não poderia ser obrigada a pagar como horas extras o intervalo utilizado de maneira incorreta. Para a entidade, o que a lei determina é a fruição de uma hora caso a jornada seja superior a seis horas.

Leia também: Empresa é condenada após motorista de caminhão trabalhar por 34 horas seguidas

Em seu voto, a relatora e desembargadora convocada, Cilene Ferreira Amaro Santos, expôs que no respectivo artigo da CLT, o que se tem é a concessão do intervalo de uma hora de intervalo “em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda de seis horas”. Já o parágrafo 1º do mesmo dispositivo, determina que na jornada inferior a seis horas, um intervalo de 15 minutos é obrigatório quando a duração ultrapassa quatro horas.

“Se o objetivo da lei é evitar o trabalho contínuo e sem pausas por mais de seis horas, por óbvio que o empregador não pode exigir trabalho por mais de seis horas sem o devido intervalo. O cumprimento de jornada especial de 12 horas exige especial atenção ao intervalo, de forma que seja atendida a regra do artigo 71 da CLT”, concluiu a relatora do caso.

Leia também: Funcionário que mentiu sobre uso de vale- transporte perde ação trabalhista

Em resposta ao Brasil Econômico, a assessoria da Votorantim Metais informou que devido a algumas mudanças ocorridas no ano passado, a “Votorantim Metais S.A” não existe mais, passando a ter somente a Votorantim Metais Holding. Atualmente, a empresa envolvida no caso é conhecida como Companhia Brasileira de Alumínio (CBA).

Em nota, a  antiga Votorantim Metais S.A e atual CBA afirmou "que sempre concedeu uma hora de intervalo para refeição e descanso aos seus empregados, conforme o artigo 71 da CLT e acordo coletivo firmado com o sindicato da categoria. Além do mais, a empresa, por liberalidade, oferecia pausa para lanche no decorrer da jornada.”

Leia também: Biólogo será indenizado após ser demitido enquanto estava com depressão