Tamanho do texto

O médico David Dao recusou-se a sair do avião após "overbooking" porque atenderia na manhã seguinte dois pacientes; confira e relembre o caso

Brasil Econômico

Após o incidente ocorrido na companhia aérea United Airlines no mês de abril com o passageiro David Dao, depois da repercussão negativa do caso no mundo todo a empresa chegou a um acordo com médico vietnamita.

Leia também: Vídeo mostra passageiro sendo arrastado para fora de avião da United Airlines

Passageiro United Airlines
Reprodução
Passageiro United Airlines

Embora os detalhes a respeito da resolução sejam confidenciais, os advogados de Dao informaram que a United Airlines foi completamente compreensiva com o caso, uma vez que não impôs limites na hora de assumir responsabilidade perante o ocorrido.

Em um primeiro momento o CEO da companhia, Oscar Munoz, não deu a atenção devida ao acontecido, visto que chegou a até mesmo apoiar a ação dos funcionários. Entretanto, após a repercussão nas redes e as indignações, o profissional pediu desculpas publicamente pelo o que houve.

“Este é um acontecimento perturbador para todos na United. Peço desculpas por ter que reacomodar esses clientes. Nossa equipe está mobilizada com um sentimento de urgência para trabalhar com as autoridades e conduzir a nossa própria revisão detalhada do que aconteceu. Também estamos chegando a este passageiro para conversar diretamente com ele ainda mais e resolver esta situação", publicou no Twitter o CEO.

Leia também: Cerca de 73% dos brasileiros vão comprar presentes no Dia das Mães, diz pesquisa

Relembre o caso

No dia 9 de abril um vídeo publicado nas redes sociais chamou a atenção de milhares de consumidores. A gravação, que chocou os internautas, mostra David Dao sendo arrastado por funcionários da companhia para fora da aeronave após um “overbooking”, que é quando o voo apresenta maior número de passageiros em relação ao de lugares disponíveis.

A passageira, Aura Bridges, uma das responsáveis pela publicação do vídeo, relatou que primeiramente a companhia comunicou que quatro pessoas precisariam ceder lugar no voo para que os funcionários da United Airlines viajassem a trabalho.

A primeira oferta foi de US$ 400 mais uma estadia no hotel para quem se voluntariasse a se retirar do avião e pegasse um voo posterior. Sem sucesso, a companhia subiu a proposta para US$ 800, que novamente não levantou interesse nos passageiros que posteriormente foram submetidos a um sorteio online.

Diferentemente dos outros três passageiros, Dao se recusou a sair do avião. O motivo pela relutância do senhor de 69 anos é porque haveria na manhã seguinte que atender pacientes no destino planejado. Durante a agressão da United Airlines, o médico teve o nariz quebrado, perdeu dois dentes, além de também sofrer uma concussão.

Leia também: Voos da Latam são cancelados e passageiros dormem em saguão de Cumbica