Tamanho do texto

A estimativa é que ela fique em 4,03%. abaixo do centro da meta . Economistas ouvidos pelo Banco Central estimam que o PIB cresça 0,46%

Inflação ficará abaixo do centro da meta de 4,5%, diz Banco Central
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Inflação ficará abaixo do centro da meta de 4,5%, diz Banco Central




O Boletim Focus divulgado nesta terça-feira (2) pelo Banco Central aponta que o mercado financeiro acredita que a inflação, medida pelo índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficará abaixo do centro da meta estipulado pelo governo que é de 4,5%. Pela oitava vez consecutiva, os economistas consultados reduziram a projeção que chegou a 4,03%.

Leia também: Companhias não definiram data para iniciar cobrança por bagagem despachada

O Banco Central informou ainda que o mercado financeiro estima que para o próximo ano, a inflação será de 4,30%, sendo que a estimativa teve redução de uma semana para outra. Outro indicador econômico que é analisado pelo Boletim Focus é o Produto Interno Bruto (PIB).

Os economistas de 100 instituições financeiras estima que para esse ano o crescimento da economia terá leve recuperação, ao crescer 0,46%. Na semana anterior o indicador do PIB era de 0,43%. Para 2018 a projeção é de recuperação econômica com crescimento do Produto Interno Bruto tenha crescimento de 2,5%.

Leia também: Dicas ajudam trabalhadores no combate a doenças por excesso de trabalho

Juros

Para as instituições financeiras, a taxa básica de juros – Selic – encerrará o ano de 2017 e 2018 em 8,5% ao ano. Atualmente, ela está em 11,25% ao ano. A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

Investimento

A projeção para a balança comercial brasileira – que é o resultado das exportações menos as importações – subiu de US$ 53 bilhões para US$ 53,15 bilhões em resultado positivo. Para o próximo ano, a estimativa dos especialistas do mercado para o superávit caiu de US$ 42 bilhões para US$ 41,1 bilhões.

A cotação do dólar permaneceu inalterada de uma semana para outra. O mercado estima que o câmbio feche 2017 cotado a R$ 3,23. Para 2018, é de estabilidade com dólar cotado a R$ 3,38, informou o Banco Central.  

Leia também: Veja 10 dicas para economizar e realizar o sonho do casamento

* Com informações da Agência Brasil