Brasil Econômico

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (12)  um recuo de 0,2%  nas vendas do comércio varejista nacional, com taxa de 0,1% para a receita nominal, na série ajustada sazonalmente.  Em relação ao volume de vendas o resultado foi considerado negativo se comparado a janeiro, porém sem influenciar a média móvel que se manteve positiva, com 1%.

Leia também: Preços dos produtos mais consumidos na Páscoa subiram 0,36%, aponta FGV

IBGE aponta restrição no orçamento dos brasileiros como fator impactante nas vendas do varejo
iStock
IBGE aponta restrição no orçamento dos brasileiros como fator impactante nas vendas do varejo

Ainda sobre o volume de vendas, o IBGE apontou que o varejo nacional recuou 3,2% se comparado a fevereiro do ano passado, 23ª taxa negativa consecutiva.  Com isso, o comércio varejista acumulou retração de 2,2% nos dois primeiros meses de 2017 e taxa acumulada de -5,4% nos últimos 12 meses.

Também em fevereiro deste ano, a receita nominal de vendas apresentou taxas de variação de 0,4% em relação ao mesmo período do ano passado, de 2,1% acumulada no ano e de 4,2% nos últimos 12 meses.

Varejo ampliado

No comércio varejista ampliado, que abrangente a venda de veículos, motos, partes e peças de material de construção, registrou um resultado positivo se comparado ao primeiro mês do ano e na série com ajuste sazonal, variando 1,4% no volume de vendas e 1% na receita nominal de vendas.

No que se diz respeito ao volume de vendas o índice permaneceu positivo pela quarta vez consecutiva, mantendo a média móvel. Se comparado ao mês de fevereiro de 2016, o comércio varejista ampliado apresentou decréscimos de 4,2% no volume de vendas e de 1,7% na receita nominal. Já para as taxas acumuladas, as variações foram de  queda de 2,1% no ano e de retração de 7,5% nos últimos 12 meses. Para o volume de vendas o resultado foi 0,8% e negativa em 0,3% para a receita nominal.

A pesquisa destacou o comportamento das vendas de veículos, motos, partes e peças como o principal contribuinte para o desempenho do setor, com taxa de 0,1% para o volume de vendas, sendo a terceira taxa positiva consecutiva. Se comparada a fevereiro de 2016, a taxa teve queda de 13,6%, permanecendo negativa pelo 36º mês seguido.

Você viu?

Em termos acumulados, as variações foram de 8,5% nos dois primeiros meses e -13,1% nos últimos 12 meses. A baixa das vendas para este segmento está associada ao ritmo desacelerado da atividade econômica, bem como o menor ritmo na oferta de crédito e restrições nos orçamentos dos brasileiros.

Leia também: Inadimplência: Brasil tem 59,2 milhões de consumidores nesta situação

Já o segmento de material de construção apresentou queda de 1,3%, voltando a ser negativo após três altas sucessivas. Em comparação a fevereiro do ano passado as variações acumuladas foram de 1,4% no bimestre e de retraçaõ de 8,2% nos últimos 12 meses.

Atividades

Em fevereiro, os resultados positivos predominaram as atividades que integram o varejo, com destaque para cinco segmentos: móveis e eletrodomésticos, com 3,8%, tecidos, vestuário e calçados, com 1,5%, livros, jornais, revistas e papelarias, com 1,4%, artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, com 1% e combustíveis e lubrificantes, com 0,6%.

Por outro lado, as atividades hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, equipamentos e matérias para escritório, informática e comunicação e outros artigos de uso pessoal e doméstico decresceram 0,5%, 1,5% e 1,8%, respectivamente.

Unidades da Federação

Na passagem de janeiro para fevereiro de 2017 e na série com ajuste sazonal, 11 das 27 Unidades da Federação apontaram recuos no comércio varejista, com quedas de 4,7% no Mato Grosso, 4,4% no Rio Grande do Sul e 4,2% em Goiás.

Em relação ao volume de vendas, 21 das 27 Unidades da Federação registraram quedas, com destaques para: Goiás, com 15%, Tocantins, com 14,9% e Pará, com 14%. Em contrapartida, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina mostraram bom desempenho, com avanços de 19,1% e 10,6% no volume de vendas. Quanto à participação na composição da taxa negativa do varejo, São Paulo e Rio de Janeiro foram os maiores contribuintes, com recuos de 3% e 6,6%, respectivamente.

De acordo com o IBGE, 20 estados apresentaram variações negativas no comércio varejista ampliado. Rondônia deteve a maior retração, com 18,8%, assim como o Pará, com 13%, Piauí, com 12,7% e Tocantins, com 11,9%.

Leia também: Vídeo mostra passageiro sendo arrastado para fora de avião da United Airlines

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários