Tamanho do texto

Esta é a primeira vez que a bandeira vermelha será ativada no ano; durante o mês de março, a bandeira tarifária que vigorou foi a amarela

Brasil Econômico

Sistema de bandeiras tarifárias na conta de luz foi criado para equilibrar os gastos extras
shutterstock
Sistema de bandeiras tarifárias na conta de luz foi criado para equilibrar os gastos extras

Os consumidores vão pagar R$ 3 a mais na conta de luz para cada 100 quilowatts-hora (kWh) gastos no mês de abril. Isso porque, no próximo mês, vai vigorar a bandeira tarifária vermelha patamar 1, aplicada quando é preciso acionar usinas termelétricas mais caras, devido à falta de chuvas.

Leia também: Apenas um quarto dos contribuintes já enviou declaração do Imposto de Renda

É a primeira vez que a bandeira vermelha será ativada na conta de luz em 2017. Durante o mês de março, a bandeira tarifária que vigorou foi a amarela, com custo adicional de R$ 2 para cada 100 kWh. Nos meses anteriores, a bandeira foi verde, sem custo extra para o consumidor.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o sistema de bandeiras tarifárias aponta o custo real da energia gerada, incentivando o uso consciente aos consumidores. As cores verde, amarela ou vermelha mostram se a energia vai custar mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade.

Entenda a bandeira tarifária

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado para equilibrar os gastos extras por conta da utilização de usinas termelétricas, mais caras do que as hidrelétricas. A cor da bandeira impressa na conta de luz indica o custo em função das condições de geração de eletricidade. Quando chove menos, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no País.

Leia também: Varejo paulista faturou R$ 48,4 bilhões em janeiro, aponta a Fecomercio-SP

A agência defende que a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de energia, mas uma forma diferente de cobrar um valor que já era incluído na conta de energia, por meio do reajuste tarifário anual das distribuidoras. A agência diz que o modelo torna a conta  mais transparente para o consumidor e apresenta a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais consciente.

A bandeira verde é acionada quando o CVU da última usina térmica a ser despachada registrar um valor inferior a 211,28 R$/MWh. A bandeira amarela, por sua vez, aparece na conta quando este CVU for igual ou superior a 211,28 R$/MWh e inferior a 422,56 R$/MWh.

Leia também: Atividade econômica teve retração de 0,26% em janeiro

No caso da bandeira vermelha, a divisão na conta de luz é feita em dois patamares. O primeiro é acionado quandoo CVU fica em valor igual ou superior a 422,56 R$/MWh e inferior a 610,00 R$/MWh. Quando a última usina térmica despachada tiver CVU igual ou superior ao valor de 610,00 R$/MWh, a Aneel cobra o segundo patamar da bandeira.