Tamanho do texto

De acordo com levantamento realizado pela Firjan, prejuízo chegou a R$ 3,9 milhões por dia em relação às ocorrências do Rio de Janeiro e São Paulo

Brasil Econômico

PIB
Firjan evidencia que em 2016 prejuízos com roubo de cargas atingiram o valor recorde de mais de R$ 1,4 bilhão
PIB

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) divulgou nesta quinta-feira (16) um levantamento que mostra que entre 2011 e 2016, os roubos de carga custaram cerca de R$ 6,1 bilhões à economia brasileira.

Leia também: Transportadoras têm prejuízo de R$ 13 bilhões com roubos de cargas e caminhões

Segundo a pesquisa da Firjan , o prejuízo chegou a R$ 3,9 milhões por dia em relação às ocorrências concentradas nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, com 43,7% e 44,1%, respectivamente.

As perdas causadas por esse tipo de crime também apresentaram crescimento no ano, assim como o número de casos, com acréscimo de 86%, passando de 12 mil em 2011 para 22 mil em 2016.

O presidente da Federação, Eduardo Eugênio Gouveia Vieira, afirmou que as transportadoras têm exigido taxas extras que podem chegar a 1% em casos de produtos roubados com destino ao Rio de Janeiro. Para ele, grandes empresas têm deixado de fazer entregas no estado devido à quantidade de roubo de cargas, que já passa de 50 casos por 100 mil habitantes.

Valor recorde

Em 2016 os prejuízos com roubo de cargas atingiram o valor recorde de mais de R$ 1,4 bilhão, quase o dobro dos R$ 761 milhões de 2011. Vale lembrar que os resultados desconsideram os estados do Acre, Amapá, Pará e Paraná.

Como medida para enfrentar o problema, a entidade propôs um movimento nacional contra o roubo de cargas, como por exemplo, ações com articulação entre estados, governo federal, municípios e Legislativo.

Leia também: Leilão de aeroportos: Governo estima investimento superior a R$ 6 bilhões

Os industriais pedem penas severas para os crimes de roubo de cargas e receptação, vendo como medida importante a contratação de mais policiais para recompor os quadros das instituições. Proibir a venda dos bloqueadores de sinal de radiocomunicação também foi outra alternativa proposta, uma vez que os equipamentos têm sido usados por quadrilhas. 

No último mês do ano passado, o Ministério da Justiça criou o Comitê de Combate de Furtos e Roubos de Cargas, integrando empresários, trabalhadores e membros do Poder Público a fim de gerar propostas e levá-las para o governo.

De acordo com o levantamento da Firjan, os impactos acerca desse crime tem causado o encarecimento dos seguros, repasse de custo ao consumidor e taxas cobradas por transportadoras. Se levada em consideração a venda ilegal dos produtos, a sonegação de impostos também pode ser apontada como ação redutora na arrecadação do estado.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Infraero: aeroportos participantes de leilão tiveram receita positiva em 2015