Tamanho do texto

Indicador de Intenção de Investimento da Indústria da FGV apresentou alta de 6,9 pontos ante ao trimestre anterior, atingindo a marca dos 100 pontos

FGV aponta crescimento no número de empresas certas em relação aos seus planos de investimento para os próximos meses
iStock
FGV aponta crescimento no número de empresas certas em relação aos seus planos de investimento para os próximos meses

O Indicador de Intenção de Investimento da Indústria elaborado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), apresentou alta de 6,9 pontos no primeiro trimestre deste ano e em relação ao trimestre anterior, atingindo os 100 pontos.

Leia também: Produção e emprego na indústria registram sinais de recuperação em janeiro

Segundo a FGV, o resultado foi considerado o com maior nível desde o primeiro trimestre de 2015, quando o indicador registrou 100,8 pontos, alcançando assim, a zona de neutralidade entre otimismo e pessimismo.

Vale ressaltar que o Indicador de Intenção de Investimentos apura a disseminação do ímpeto de investimento entre empresas industriais, o que auxilia na antecipação de tendências econômicas.

“A alta do indicador parece estar relacionada, entre outros fatores, à melhora de perspectivas para o crescimento da economia brasileira neste ano. A definição de uma tendência de redução do grau de incerteza em relação à execução destes investimentos é também uma notícia favorável. Apesar disso, ainda existem riscos no cenário de curto e médio prazo, principalmente originados no ambiente político, que podem provocar adiamento de investimentos”, afirmou o superintendente de estatísticas públicas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas, Aloisio Campelo Jr.

Ainda no primeiro trimestre de 2017, a proporção de empresas que tinham a intenção de investir mais nos 12 meses seguintes foi idêntica à das que estimaram investir menos, com 19,9%.  Em relação ao trimestre anterior, os percentuais foram de 17,8% e 24,7%, respectivamente.

Leia também: Especialista fala sobre Indústria 4.0 e reinserção no mercado de trabalho

Incerteza e investimentos

No mesmo período a Fundação também consultou empresas para saber o grau de certeza das mesmas em relação as previsões de investimentos para os meses seguintes.

Após três trimestres seguidos de incertezas, cerca de 29,2% das entidades afirmaram estar certas no que se diz respeito ao plano de investimentos, ante a 22,2% que optaram pela categoria contrária, menor percentual de empresas incertas desde o final de 2015.

O resultado permanece na linha do Indicador Mensal de Incerteza Econômica do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), que recuou em janeiro e fevereiro de 2017, ainda em nível elevado em termos históricos.

Apresentado no Boletim Macro do Ibre- FGV de janeiro, a incerteza em relação ao plano de investimento das entidades industriais pode influenciar negativamente a realização dos investimentos. Em termos quantitativos, a probabilidade de uma empresa revisar para baixo o volume de investimentos é 19% maior em entidades incertas na execução de seus planos.

Leia também: Micro e pequenas indústrias de São Paulo projetam recuperação ao longo deste ano