Tamanho do texto

De acordo com a instituição, Recife foi a capital com a queda mais significativa das avaliadas, uma vez que passou de 0,44% para 0,19%

Brasil Econômico

A Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou nesta sexta-feira (3) o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) e apontou variação de 0,31% em relação à última taxa registrada, que diz respeito à terceira semana do mês de fevereiro.

Leia também: Brasil economiza R$ 159 milhões com horário de verão

Consumidor de Salvador foi o único que sentiu a alta no índice de Preços
EBC
Consumidor de Salvador foi o único que sentiu a alta no índice de Preços

Segundo o balanço, das sete capitais apuradas pela instituição, apenas em Salvador o consumidor sentiu o crescimento no indicador semanal, uma vez que o IPC-S no local subiu de 0,55% para 0,64%.

Em contraponto, a capital que obteve a queda mais significativa foi Recife, que passou de 0,44% (na terceira semana de fevereiro) para 0,19% (na quarta e última semana do mês). Já em Brasília o recuo foi de 0,35% para 0,16%. Na capital mineira, o indicador caiu praticamente pela metade, ao passar de 0,41% para 0,22%. Outra cidade avaliada pela pesquisa foi Porto Alegre que apresentou variação de 0,33% para 0,27%.

São Paulo                                                                                                                                                 

Na capital paulista o IPC-S registrou variação de 0,22%. De acordo com a apuração, o resultado é 0,15 (p.p) abaixo do divulgado na terceira semana de fevereiro. O motivo pela diminuição do indicador se deve à desaceleração em seis, dos oito subíndices utilizados para compor a média.

Entre as categorias que apresentaram queda nos p.p estão: educação, leitura e recreação, que passou de 1,74% para 0,16%; vestuário que apresentou uma variação negativa, de 0,22% para 0,02% entre as semanas apuradas. O setor de transporte também contribuiu para a baixa de 0,15 p.p, uma vez que variou de 0,11% para 0,03%.

Leia também: E-commerce impulsiona exportações de PMEs brasileiras

O setor de alimentação também apresentou queda, ao passar de 0,14% para 0,09%. A retração também esteve presente na categoria da comunicação, ao cair de 0,54% para 0,30%. O último item avaliado que obteve baixa na variação foi o de despesas diversas, ao recuar de 0,37% para 0,24%.

Já os grupos que apresentaram crescimento foram o de habitação e saúde e cuidados pessoais. O primeiro passou de 0,19% para 0,36%, enquanto que o segundo foi de 0,68% para 0,70%. De acordo com a instituição, os principais motivos pelas altas foram os aumentos na conta de luz e nos medicamentos em geral.

Rio de Janeiro 

Já na capital carioca o índice de Preços ao Consumidor Semanal registrou variação de 0,27%, o que é um valor 0,06 p.p abaixo do divulgado na terceira semana de fevereiro, que obteve registro de 0,33%.

De acordo com a FGV, cinco das oito categorias de despesa tiveram desaceleração. A classe de educação, leitura e recreação também registrou recuo no Rio de Janeiro, uma vez que passou de 1,79% para 0,76%. Já o vestuário caiu de 0,34% para 0,06% na última semana de fevereiro.

Quem se manteve no negativo foi o grupo da alimentação, que passou de -0,01% para -0,07%. Ao contrário da capital paulista, o setor de habitação no RJ registrou recuo, se antes seu registro era de 0,49%, agora o setor aponta para 0,30%. E o último setor que mostrou retração foi o de comunicação, que passou de 0,06% para -0,09%.

Em relação às classes que obtiveram crescimento estão saúde e cuidados pessoais e transportes, que passaram respectivamente de 0,30% para 0,46% e 0,07% para 0,59%. A categoria de despesas diversas também registrou aumento para o bolso do consumidor, uma vez que saltou de 0,16% para 0,38%.

Leia também: Preço médio do metro quadrado para venda tem queda em fevereiro