Tamanho do texto

Se você é um dos contribuintes que ainda está na dúvida, Gilberto Bento Jr. separou alguns conselhos que poderão te ajudar na hora da declaração

Brasil Econômico

Se você está se preparando para fazer a Declaração de Ajuste do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e ainda não parou para pensar se vai fazer declaração conjunta ou separada, confira qual opção vale mais apena para você, de acordo com o sócio da Bento Jr. Advogados, Gilberto Bento Jr.

Leia também: Receita Federal começa a receber declarações do Imposto de Renda 2017

Gilberto Bento Jr. recomenda que contribuintes consultem um especialista para identificar o que é mais vantajoso
iStock
Gilberto Bento Jr. recomenda que contribuintes consultem um especialista para identificar o que é mais vantajoso

O especialista garante que não há uma resposta simples para a questão sobre o Imposto de Renda (IR), uma vez que o resultado depende totalmente da análise singular dos casos, e que há diversos fatores a serem considerados.

A declaração conjunta pode ser interessante, segundo Bento Jr. quando apenas um dos cônjuges deve declarar, uma vez que desta forma no benefício pode-se utilizar mais bens dedutíveis. O que pode garantir maior restituição ou menor pagamento ao fisco.

Por outro lado, se ambos se encaixam na regra de pagarem o IR a declaração individual é o mais recomendado– na maioria dos casos. Pois, os rendimentos somados na declaração conjunta implicarão em um valor maior de pagamento do que na declaração individual.

Leia também: Imposto de Renda 2017: especialista lista as mudanças deste ano

“Isso se deve ao fato de que ao declarar individualmente, utiliza-se uma tabela para cada um, enquanto que na declaração conjunta os valores da tabela não são duplicados. Assim, pode acontecer de, individualmente, cada um merecer restituição, e na declaração conjunta serem obrigados a pagar imposto”, explica o especialista.

Exceção

Por mais que o exemplo citado acima seja a regra, também existe a exceção. Gilberto Bento Jr. enfatiza que quando, por exemplo, ocorre de um dos cônjuges possuir despesas médicas elevadas – que não podem deduzir na declaração individual. O gasto pode trazer uma boa economia tributária na declaração conjunta.

O especialista ressalta ao apontar que não existem fórmulas prontas, e que por isso o mais recomendável é que as pessoas elaborem simulações para identificar o que é mais vantajoso. A dica do especialista pode demandar algum tempo ou até mesmo o gasto com um profissional, mas no final das contas o contribuinte verá que vale a pena.

Outro alerta que Bento Jr. faz sobre o Imposto de Renda é em relação à avaliação da existência de impeditivos ou inconsistências que podem levar à malha fina. Ele lembra, ao informar que tudo deve ser elaborado antes da entrega, sem retificações, pois a mudança com certeza levará o contribuinte à temida malha fina.

Primeiro dia

Esta quinta-feira (2) foi o primeiro dia de entrega do IR. De acordo com o supervisor nacional de IR, o auditor-fiscal Joaquim Adim, foi computado até às 11 horas da manhã 150.797 declarações. A expectativa é que até o dia 28 de abril mais de 28 milhões de contribuintes entregue a sua declaração do Imposto de Renda.

Leia também: Antecipar a restituição do Imposto de Renda é um bom negócio? Entenda