Tamanho do texto

Número é maior do que previsto pelo governo, que esperava uma economia de R$ 147,5 milhões, mas ficou abaixo de 2016, quando foi de R$ 162 milhões

Agência Brasil

Horário de verão gerou redução de 4,3% na demanda por energia elétrica no horário de pico
Agência Brasil
Horário de verão gerou redução de 4,3% na demanda por energia elétrica no horário de pico

O Brasil registrou uma economia de R$ 159,5 milhões por conta do horário de verão deste ano. A diminuição de gastos aconteceu devido à redução do acionamento de usinas térmicas durante o período de vigência da medida. O número é maior do que previsto pelo governo, que esperava uma economia de R$ 147,5 milhões, mas ficou abaixo do resultado do ano passado, quando o total chegou a R$ 162 milhões.

Leia também: Receita recebe 287 mil declarações do IR no primeiro dia de entrega

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico, no Sistema Sul, houve uma redução da ordem de 4,3% na demanda no horário de pico (entre as 18h e as 21h), o que equivale, aproximadamente, ao atendimento do dobro da carga da cidade de Florianópolis neste horário. No Sistema Sudeste/Centro-Oeste, a redução da demanda foi equivalente ao atendimento da metade da carga da cidade do Rio de Janeiro no horário de ponta, aproximadamente. O horário de verão deste ano durou 126 dias, de 16 de outubro de 2016 a 19 de fevereiro de 2017.

Leia também: Brasileiros que residem no exterior podem sacar contas inativas do FGTS

Segundo o Ministério de Minas e Energia, além da economia de dinheiro, a medida gera ganhos qualitativos com a redução do consumo no horário de pico noturno, diminuindo os carregamentos no sistema de transmissão, proporcionando maior flexibilidade operativa para realização de manutenções em equipamentos e redução de cortes de carga em situações de emergência, o que gera um aumento na segurança do atendimento ao consumidor final.

Leia também: Nota Fiscal Paulistana terá novas regras de premiação

Como funciona

O horário de verão é conhecido como a prática de adiantar o relógio em uma hora. A medida é adotada em uma série de países e, como o nome sugere, é implantado em períodos próximos ao verão.  A implantação do horário tem como objetivo principal justamente a economia de energia, principalmente no horário de pico – que é quando a demanda costuma ser maior. Dessa forma, na época em que a medida é aplicada, o sol nasce antes da hora em que a maioria da popupação desperta. Fazendo com que o relógio seja adiantado, torna-se possível aproveitar melhor a luz do dia e diminuir o uso de energia elétrica.