Tamanho do texto

Empresas brasileiras têm até às 23h59 para entregar para Receita Federal os valores referentes a Dirf de funcionários. Não entrega resulta em multa

Brasil Econômico

Empresas têm até às 23h59 para informar as Dirf para Receita Federal
iStock
Empresas têm até às 23h59 para informar as Dirf para Receita Federal


A Receita Federal recebe até às 23h59min59s desta segunda-feira (27) a declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte (Dirf) referente ao ano de 2016. A entrega só não é obrigatória aos microempreendedores individuais (MEI) que tem lucro anual de até R$ 60 mil em suas operações de cartão de crédito com IRRF sobre os pagamentos de comissões para as operadoras.

Leia também: Receita Federal libera programa para declaração do Imposto de Renda

A Receita Federal informou que a não entrega da Dirf resultará em multa de 2% ao mês calendário ou fração, incidente sobre o montante de tributos e contribuições informados na declaração, ainda que integralmente pago, limitada a 20%.

Com a intenção de evitar e combater a evasão tributária, a Receita tornou obrigatória a declaração em casos de pessoas físicas e jurídicas residentes no País mesmo sem ter feito a retenção do imposto, desde que tenham sido candidatos a cargos eletivos, inclusive vices e suplentes, ou que tenham efetuado pagamento, crédito, entrega, emprego ou remessa a pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada no exterior.

Leia também: Conta de luz fica mais cara a partir de março com bandeira amarela

 Obrigações

Nesses casos acima mencionados, a obrigatoriedade de declaração vale para as seguintes situações: aplicações em fundos de investimento de conversão de débitos externos; royalties, serviços técnicos e de assistência técnica; juros e comissões em geral; juros sobre o capital próprio; aluguel e arrendamento; aplicações financeiras em fundos ou em entidades de investimento coletivo; carteiras de valores mobiliários e mercados de renda fixa ou renda variável; fretes internacionais; previdência complementar; remuneração de direitos.

A obrigatoriedade de declaração vale ainda em casos de obras audiovisuais, cinematográficas e videofônicas; lucros e dividendos distribuídos; cobertura de gastos pessoais, no exterior, de pessoas físicas residentes no país, em viagens de turismo, negócios, serviço, treinamento ou missões oficiais; rendimentos de que trata o Artigo 1º do Decreto nº 6.761, de 5 de fevereiro de 2009, que tiveram a alíquota do imposto sobre a renda reduzida a 0% e demais rendimentos considerados como rendas e proventos de qualquer natureza, na forma prevista na legislação específica, informou a Receita Federal.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Lírio Parisotto: “Investir sem informação é pecado capital”