Brasil Econômico

As lojas no modelo de franquia estão se tornando cada vez presentes na vida dos consumidores. O investimento mais acessível e a possibilidade de trabalhar com marcas conhecidas do público são alguns dos fatores que atraem os empreendedores. No entanto, muitas delas têm problemas sérios, como não ter o treinamento adequado e não estar na localização ideal para atrair seu público-alvo.

undefined
Divulgação
Proprietários de franquia apontam a falta da capital de giro como uma das barreiras para expandir um empreendimento

LEIA MAIS: Confira cinco passos para garantir uma vaga ao prestar um concurso público

Uma pesquisa da Franchise Solutions, empresa de consultoria especializada no modelo, apontou que este é o principal motivo para empreendimentos quebrarem em um curto prazo. "Não foi um grande espanto para nós, que estamos habituados no varejo, mas, para quem está começando sua pesquisa ou não tem experiência em franchising, esse pode nem ser um item tão importante", explica, Pedro Almeida, diretor da Franchise Solutions. A empresa listou as cinco razões mais comuns que fazem uma franquia não dar certo.

Localização inadequada

O empreendedor precisa definir com qual tipo de empreendimento está trabalhando. De acordo com a consultoria, existem negócios de passagem, que precisam ser instalados em locais de grande fluxo de pessoas ou de carros, e negócios de destino, que não precisam de uma circulação tão grande, mas devem ter facilidade de acesso, como transporte público ou estacionamento exclusivo ou vinculado a convênio.

Capital de giro

A falta de capital de giro aparece com frequência em diversos levantamentos com uma das barreiras para a expansão de um empreendimento. Apesar de existirem diversas linhas de crédito disponíveis em bancos públicos e privados e o problema diminuir a cada ano, este ainda é o segundo colocado na lista de erros que fazem as franquias fecharem.

Falta de treinamento

A falta de capacitação é outra razão apontada por alguns franqueados para o fechamento de sua unidade. Em muitas situações, o empreendedor abre lojas em locais distantes da franqueadora, que não possui equipe suficiente para suprir a demanda por treinamento dos franqueados e de seus colaboradores. O alto custo dos treinamentos inviabiliza a operação e faz a unidade ficar fora dos padrões da rede, levando-a ao fechamento.

LEIA MAIS: Veja oito dicas para identificar hábitos consumistas em uma criança

Concorrência desleal

A crise faz muitos empresários diminuirem seus preços de forma drástica, levando a redução da quantidade de produtos entregues e da qualidade da matéria-prima usada nos produtos e na prestação de serviços. A estratégia não traz risco para os consumidores, já que as franquias trabalham com padrão na qualidade dos produtos.

LEIA MAIS: Número de lojas virtuais no Estado de São Paulo cresce 30% em 2016

Entretanto, a redução significativa de custos é inviável, pois o franqueado precisa lidar com a concorrência desleal de outros estabelecimentos, que podem conseguir a preferência do consumidor que se preocupa com preços. A solução, segundo a Franchise Solutions, é investir no fortalecimento da marca, pois o valor agregado pode se traduzir em qualidade e fidelizar os clientes.

Sazonalidade

Todos os empreendimentos possuem uma sazonalidade, seja ela maior ou menor. O empresário deve perceber em que momento ela ocorre no seu setor e qual o impacto na vida financeira da empresa. Dessa forma, é possível melhorar os resultados, com estratégias inteligentes, antes da sazonalidade chegar. O estudo pode ser feito com todas as pessoas envolvidas na franquia, já que beneficia toda a rede.

    Leia tudo sobre: Empreendedorismo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários