Tamanho do texto

País está enquadrado abaixo da categoria desde fevereiro do ano passado e tem um terço de chances de ser novamente rebaixado nos próximos meses

A agência de classificação de risco Standard & Poor's(S&P) decidiu manter o Brasil dois níveis abaixo do grau de investimento e reafirmou a perspectiva negativa para a nota do País. Com o anúncio, a classificação da dívida pública brasileira pode ser rebaixada a qualquer momento. O grau de investimento serve como garantia de que um país não corre risco de dar calote na dívida pública.

LEIA MAIS: Cerca de 49,2% das famílias afirmaram estar endividadas, diz Fecomercio-SP

Desde fevereiro do ano passado, o Brasil está enquadrado abaixo dessa categoria. Em comunicado, a Standard & Poor's  afirmou que as incertezas políticas, as tensões sociais, a lentidão na recuperação econômica e a crise financeira em alguns estados mantêm em um terço as chances de que o Brasil receba uma avaliação ainda menor nos próximos meses.

Segundo a Standard & Poor's, decisão foi tomada pelo fato de ajuste fiscal ainda estar em fase inicial
Wikimedia/Creative Commons
Segundo a Standard & Poor's, decisão foi tomada pelo fato de ajuste fiscal ainda estar em fase inicial

LEIA MAIS: Procon: consumidores serão ressarcidos em R$ 4 milhões por cobranças indevidas

Segundo a agência, a aprovação de medidas econômicas, como o teto para os gastos públicos, foram importantes, mas as ações estão em fase inicial e o equilíbrio das contas públicas pode ser emperrado pela instabilidade política. "Enquanto o governo Temer e o Congresso avançaram em algumas legislações para reforçar a trajetória fiscal, considerando a combinação do estágio inicial das medidas e o tamanho do ajuste necessário, esperamos por evidências adicionais do progresso em estabilizar a economia e reduzir a incerteza política”, ressaltou a S&P no comunicado.

Entenda

A classificação de risco por agências estrangeiras representa uma medida de confiança dos investidores internacionais na economia de determinado País. As notas são suadas como referência para juros de títulos públicos, que representam o custo para o governo pegar dinheiro emprestado com investidores. As agências também atribuem notas aos títulos que empresas emitem no mercado financeiro, avaliando a capacidade de as companhias honrarem seus compromissos.

LEIA MAIS: Apenas banda larga fixa obteve crescimento de assinaturas no País, aponta Anatel

Além da S&P, as agências mais conceituadas pelo mercado são a Fitch e a Moody's. As empresas enviam técnicos aos países avaliados para analisarem as condições da economia local. Uma avaliação positiva faz um país e suas empresas levantarem recursos no mercado internacional com custos menores e melhores condições de pagamento. Caso contrário, o país passa a ser considerado de grau especulativo.

Petrobras tem nota elevada

Apesar de ter mantido a nota da dívida pública brasileira, a S&P elevou o rating da Petrobras, de B+ para BB-. Com a mudança, a estatal passou de quatro para três níveis abaixo do grau de investimento. A agência citou a melhoria da gestão e o aumento da liquidez (dinheiro disponível) da estatal. O Ministério da Fazenda não informou se comentará a manutenção da nota da Standard & Poor's.

* Com informações da Agência Brasil.