Tamanho do texto

Principal objetivo do co-branding é atingir novos mercados. Isso funciona muito bem quando se trata de uma área em que a marca nunca atuou

Co-branding permite maior diferenciação das marcas em relação aos concorrentes
iStock
Co-branding permite maior diferenciação das marcas em relação aos concorrentes

Os empresários são profissionais que precisam estar sempre ligados. As tendências do mercado devem ser acompanhadas de perto para que o trabalho esteja sempre alinhado às atualidades das marcas.

LEIA MAIS: Como se comportar nas redes sociais sem comprometer o trabalho

Uma destas estratégias atuais é o co-branding. De acordo com Lucas Saad, diretor da consultoria curitibana "saad branding+design" e especialista da área, este modelo é uma associação entre duas ou mais marcas para promoção de uma ação, produto ou serviço que ofereça valor agregado ao consumidor.

Fazendo essa associação, é possível alcançar uma diferenciação em relação à concorrência e atingir mercados diferentes. “O co-branding pode ser utilizado em situações nas quais empresas encontram-se atuando em um mercado saturado, com as mesmas ofertas — pense nas commodities ou no fast-fashion. A união de forças entre empresas que fazem um trabalho complementar cria um diferencial competitivo dentro deste cenário”, explica Saad.

Objetivos 

O principal objetivo deste modelo é chegar a novos mercados. Isso funciona muito bem quando se trata de um mercado em que a marca nunca atuou e não possui qualquer experiência. Nestas situações, a proximidade com uma marca já estabelecida na área é a melhor solução.

LEIA MAIS: Vai contratar um freelancer? Confira dicas para evitar problemas

“É necessário que haja alinhamento entre os valores, filosofia, visão de negócios e ideologia das marcas envolvidas para que não haja choque de culturas”, detalha o especialista.

Ainda de acordo com Saad, é preciso tomar algumas precauções devem para que estas parcerias tenham sucesso. Em primeiro lugar, é importante que as empresas tenham afinidade e que a relação tenha uma natureza “ganha-ganha“, ou seja, o co-branding será benéfico para todas as partes envolvidas.

Para fazer a escolha, uma regra básica é avaliar se o resultado da parceria será maior do que o valor de uma atuação individual. Além disso, conferir se ambas as partes estão em um mesmo nível de importância e reconhecimento no mercado também é importante. Caso contrário, a marca mais forte poderá emprestar mais atributos de imagem positivos do que receberá.

LEIA MAIS: Veja como o Facebook pode ajudar a aumentar a sua renda mensal

“Para finalizar, é crucial que as empresas interessadas em implementar estratégias como essa nunca esqueçam seu propósito, calculando a cooperação de forma a gerar benefícios reais aos seus consumidores. Antes de se decidir por uma estratégia de co-branding, pense: o que o meu consumidor vai ganhar com isso? E parta daí”, completa Saad sobre as parcerias entre as marcas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.