Tamanho do texto

Saques poderão ser realizados somente em contas que não recebem mais depósitos do empregador porque o contrato de trabalho foi suspenso

O calendário de saques de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) deverá ser anunciado pelo governo na próxima terça-feira (14). O cronograma de liberação ainda não foi divulgado oficialmente, mas os saques deverão ser realizados de acordo com o mês de nascimento do trabalhador. Após a divulgação, a Caixa Econômica Federal poderá começar a receber demandas sobre a retirada do dinheiro.

LEIA MAIS: Confira cinco pontos importantes para entender o pagamento de horas extras

Os trabalhadores poderão realizar saques apenas em contas que não recebem mais depósitos do empregador porque o contrato de trabalho foi suspenso. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, defendeu a servidores da Caixa que "a liberação das contas inativas do FGTS é também uma política social". O banco estatal deve criar canais exclusivos para informar os trabalhadores sobre o saque para que não haja tumulto nas agências.

Trabalhadores poderão fazer saques em contas do FGTS sem movimentação até dezembro de 2015, sem limite de retirada
Agência Brasil
Trabalhadores poderão fazer saques em contas do FGTS sem movimentação até dezembro de 2015, sem limite de retirada

LEIA MAIS: FGTS: especialista dá dicas para usar o dinheiro com consciência e planejamento

Poderão ser sacados os valores de contas sem movimentação até 31 de dezembro de 2015, sem limite de retirada. O trabalhador pode consultar a existência e o saldo de contas inativas por meio do site ou das agências da Caixa, mensagem SMS e o aplicativo do Fundo de Garantia.

Reforma tributária

Durante evento da Caixa, Padilha também revelou alguns planos do governo para concretizar a reforma tributária. Segundo ele, a ideia é reduzir a tributação aplicada sobre o consumo. "Temos de aprender a fazer como os povos desenvolvidos: tributam mais a renda e o ganho de capital e menor o consumo".

O ministro defendeu que a cobrança de tributos sobre o consumo afeta aqueles que estão na base da pirâmide. "Quem paga mais imposto no Brasil é o mais pobre. É um deformidade que temos no sistema. Estamos trabalhando para ver quanto vamos conseguir avançar na reforma tributária já nessa direção", afirmou.

Saque de contas inativas

De acordo com o governo federal, a liberação de saque de contas inativas foi uma medida para ajudar as pessoas a "quitarem suas dívidas". Para o professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB), Roberto Ellery, mesmo que mesmo que a intenção não seja gastar o dinheiro, vale a pena sacar o valor disponível. "Hoje, o FGTS rende menos do que qualquer outro investimento, inclusive a poupança. Então, se você tiver condições de sacar o dinheiro das contas inativas, faça isso. Se não tiver dúvidas para pagar, procure um outro investimento que o seu banco ofereça", explica.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.