Tamanho do texto

"Início de ano é marcado por muitos compromissos financeiros, como IPVA, matrícula e material escolar, entre outros" explica o presidente da entidade

Brasil Econômico

Nesta quinta-feira (2) foi divulgado pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) que houve queda de 25% nas vendas de veículos no País entre os meses de dezembro de 2016 e janeiro.

LEIA MAIS: Fiat e Peugeot chamam proprietários para recall; Procon-SP orienta como proceder

Recessão: vendas de veículos cai 25% neste mês
iStock
Recessão: vendas de veículos cai 25% neste mês

Entre as categorias avaliadas pela Federação estão as vendas de: automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros. Neste mês foi registrado pela instituição a comercialização de 224.164 unidades e no comparativo com janeiro de 2016, esse número é 14,08% menor, quando foram feitas 260.909 vendas.  

Em relação ao mês de dezembro de 2016, a variação também foi de queda, uma vez que em dezembro foram realizadas 298.989 comercializações. Somente os grupos automóveis e comerciais leves representam juntos, uma queda de 27,85% neste mês em relação a dezembro.

Outra comparação traçada pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores revela que 143.582 unidades foram emplacadas em janeiro, ao passo que em dezembro foram 2016, 199 mil unidades.

Em relação a apenas os comerciais leves, a instituição registrou crescimento de 20,4% neste mês de janeiro na comparação com o mesmo período do ano passado. Entretanto, em relação a dezembro, a Fenabrave apontou para uma queda de 23,56%.

LEIA MAIS: Boleto vencido poderá ser pago em qualquer banco somente a partir de julho

Motivo

O presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, afirmou em nota oficial que o mês de janeiro tradicionalmente é mais fraco nas vendas. “As promoções do final do ano e o 13º salário, geralmente, atraem o público a adquirir um veículo, como o automóvel, por exemplo. Já o início de ano é marcado por muitos compromissos financeiros para as famílias, como IPVA, matrícula e material escolar, entre outros. Com isso, o consumidor se retrai para fazer novos investimentos no primeiro mês do ano”, explica.

Por mais que os indicadores apontem para queda nas vendas de automóveis e comerciais leves, Assumpção Júnior se mostra um pouco otimista com 2017, pois “houve aumento nos emplacamentos de comerciais leves, o que demonstra uma sinalização de retomada na economia”, explica o presidente sobre o recuo.

LEIA MAIS: Confiança do consumidor da classe D/E foi a mais abalada no último ano, diz ACSP

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.