Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
iStock
Fecomercio-SP afirma que processo de recuperação da confiança e da economia ainda não terminaram

O Índice de Expansão do Comércio (IEC), apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), apresentou queda em janeiro, após oito meses registrando altas consecutivas. De acordo com a Federação, o resultado já era esperado por suceder as vendas de Natal. Em dezembro de 2016 o indicador passou de 89,9 para 85,1 pontos em janeiro, queda de 5,3% pontos. Em contrapartida, empresários estão mais dispostos  e com expectativas maiores para fazer investimentos e a contratar serviços. 

LEIA MAIS: Marketplace é aliado dos petshops para alavancar venda de produtos e serviços

A Fecomercio -SP  apontou também que, em comparação com o mesmo mês de 2016, o índice registrava 72,1 pontos, ou seja, crescimento de 18,1%. É importante ressaltar que o indicador se mantém abaixo dos 100 pontos há dois anos, o que evidencia no momento a disposição dos empresários para expandir negócios.

De acordo com a assessoria econômica da Fecomercio-SP, mesmo com a instabilidade, o empresário está mais confiante no início deste ano do que estava em 2016 e visa por melhoras. A entidade frisa que por mais que obstáculos ainda existam, reformas e ajustes já aprovados ou em processo de aprovação podem geram um ambiente favorável para o crescimento de investimentos em médio prazo.

Outros Índices

Em comparação a janeiro de 2016, o IEC registrou um resultado positivo impulsionado pelos seus dois subíndices. O índice que mede a Expectativa para Contratação de Funcionários apresentou alta de 23,3% e atingiu 104,8 pontos. Em contrapartida, se levado em consideração dezembro do ano passado, houve queda de 7,2%.

LEIA MAIS: Juro do cartão de crédito atinge 484,6% em dezembro, maior índice desde 2011

Já no que se refere ao Nível de Investimentos das Empresas, índice responsável por sinalizar a disposição do empresário a investir em equipamentos e novas instalações, houve crescimento de 12% em relação a janeiro de 2016, indo de 58,4 para 65,4 pontos. Se comparado a dezembro, houve retração de 2,1%.

Segundo a Federação, mudanças de humor que vinham sido notadas no comportamento do empresário desde abril do ano passado, foram interrompidas esse mês. A entidade entende que esse pequeno intervalo de recuperação pode prevalecer até março por motivos estruturais do País e que essa pausa não pode ser vista como o fim do processo de recuperação da confiança e da economia em geral.

A Fecomercio-SP estima que a confiança se espalhe pelo setor e impacte a economia nos próximos dois anos. E que o início de um processo de reformas e adequações de imóveis comerciais, comece em breve para que resultados positivos possam se propagar.

LEIA MAIS: Dívida pública do Brasil vai cair em 2017, diz secretária do Tesouro Nacional

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários