Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
Agência Brasil
Ilan Goldfajn, presidente do BC também disse que é necessário aprovar reformas fiscais, especialmente a da Previdência

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse nesta terça-feira (17) que a política monetária vai ajudar o Brasil a se recuperar economicamente, mas que são necessárias ações complementares para combater a crise. A afirmação foi feita em reunião do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça

+ Em baixa, Brasil desperdiça 'vitrine' de Davos, dizem especialistas

A política monetária – que inclui a definição da Selic, a taxa básica de juros da economia, não é “o único jogo na cidade”, de acordo com o presidente do BC. “Ela complementa outras políticas do governo e reformas estruturais atualmente sendo implementadas”, destacou.

Ainda segundo Goldfajn, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) vai depender de investimentos e de níveis crescentes de produtividade. Goldfajn também diz que a redução das incertezas é importante, particularmente as relacionadas a eventos políticos e não econômicos. O presidente afirma ainda que é necessário aprovar reformas fiscais, especialmente a da Previdência.

+ Pesquisa indica que consumidor planeja suas compras, mas muda de opinião na loja

Mais sobre o fórum

Henrique Meirelles, ministro da fazenda, também está participando do Fórum Econômico Mundial em Davos. Durante entrevista, Meirelles afirmou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) é mais conservador em suas previsões de crescimento econômico. O ministro refere-se à estimativa divulgada pelo FMI na segunda-feira (16), que reduziu a perspectiva de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,5% para 0,2% ao ano.

“O FMI tende a ser mais conversador. O mercado, no Brasil, está com um crescimento um pouco mais acima, de 0,5%, mas certamente o importante é a trajetória de recuperação da economia que parte de um nível muito baixo”, declarou Henrique Meirelles.

+ Copom diz ter cogitado um corte mais baixo na taxa Selic

Meirelles aproveitou para afirmar que haverá revisão das estimativas oficiais do crescimento do PIB, mas não informou de quanto será. Até o momento a perspectiva de crescimento oficial do PIB é de 1%. Já as instituições que são consultadas pelo Banco Central para a produção do Boletim Focus são menos otimistas e projetam PIB com expansão de 0,5%. O BC, em seu último relatório sobre a inflação divulgado em dezembro, revisou a projeção de crescimento da economia para 0,8%.

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários