Brasil Econômico

O Brasil poderá registrar em 2017 a maior safra de sua história. De acordo com projeções divulgadas nesta terça-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o País terminará o ano com 213,7 milhões de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas. As previsões, se confirmadas, indicam crescimento de 16,1% na comparação com o ano passado, quando foi alcançada a marca de 184 milhões de toneladas.

undefined
Imagem de Arquivo/Agência Brasil
Previsões do IBGE indicam que este ano safra poderá ser 16,1% superior ao total de 2016: 184 milhões de toneladas


+ Após quatro quedas consecutivas, varejo tem alta de 2% nas vendas em novembro

Os dados fazem parte do terceiro prognóstico para a safra deste ano e estão presentes no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) analisado pelo IBGE em dezembro. Segundo o instituto, o resultado de 2016 foi 12,2% menor na comparação com 2015, quando o País registrou 209,7 milhões de toneladas. O desempenho do ano passado representou a maior retração da produção agrícola desde 1996, quando foi registrada uma queda de 13,3%.

Para 2017, o IBGE destaca que todas as regiões deverão apresentar aumento da produção , com destaque para a previsão de crescimento de 73% para o Nordeste, 20,5% para o Centro-Oeste, 13,4% do Norte, 11,1% do Sudeste e 5,8% na região Sul.

+ Exportações de industrializados cresceram abaixo do esperado em 2016

Safra de 2016

Os últimos prognósticos do IBGE para o resultado de 2016 indicam que a área colhida para a produção do ano passado é de 57,1 milhões de hectares, representando queda de 0,9% em relação ao ano passado. O arroz, o milho e a soja representaram 92,2% da estimativa da produção e foram responsáveis por 87,8% da área a ser colhida. No entanto, na comparação com 2015, o grupo apresentou queda na produção. A soja apresentou recuo de 1,8%, o arroz teve queda de 14%, e o milho, 25,7%.

A distribuição regional esperada da produção de grão em 2016 é de 75,1 milhões de toneladas no Centro-Oeste e 73 milhões no Sul. Juntas, as duas regiões respondem por 80% de toda a produção brasileira de grãos. Na sequência, estão as regiões Sudeste, com 19,6 milhões de toneladas, Nordeste, com 9,5 milhões, e Norte, com 6,7 milhões.

+ Movimento do comércio tem queda de 6,6% em 2016; pior resultado em 16 anos

Em relação à safra de 2015, todas as regiões apresentaram queda. O maior recuo foi registrado no Nordeste, que apresentou produção 42% menor na comparação com o ano anterior. Em seguida, estão as regiões Centro-Oeste, com queda de 16,3%, Norte, com retração de 12,5%. As regiões Sul e Sudeste apresentaram as menores reduções, com -3,6% e -2,1%, respectivamente.

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários