Tamanho do texto

Consultor de carreiras, Emerson Weslei Dias, fala sobre as carreiras que vão estar em alta neste ano e a necessidade de desenvolvimento profissional

Brasil Econômico

Segundo consultor de carreiras, o período atual visa procurar por soluções internas e de baixo  investimento financeiro
iStock
Segundo consultor de carreiras, o período atual visa procurar por soluções internas e de baixo investimento financeiro

O ano de 2016 foi turbulento no País e no mercado de trabalho não foi diferente. Muitos profissionais perderam seus empregos ao longo dos últimos dois anos e continuam em busca de recolocação. Para ajudar quem está em busca de uma nova oportunidade no mercado de trabalho e pensa até em iniciar uma nova profissão,  o Brasil Econômico entrevistou o consultor de carreiras, Emerson Weslei Dias, para saber quais profissões estarão em alta em 2017 e quais as previsões do mercado de trabalho no Brasil.

+ Brasil tem 12 milhões de desempregados, aponta IBGE 

Carreiras em ascensão

Segundo o consultor de carreiras , Emerson Weslei Dias, as áreas de compliance terão muito destaque esse ano. Derivado do verbo em inglês to comply , que significa agir de acordo com as regras, compliance é o conjunto de ferramentas utilizados para o cumprimento de normas em geral. De acordo com o consultor, o profissional atuante nesse segmento trabalhará não só para garantir a organização das normas, como também na eliminação de riscos internos e operacionais. Advogados, gestores, contadores e gerentes são exemplos de possíveis profissões inseridas no método de compliance.

 Marketing Digital

O Marketing digital também é uma das apostas para 2017. Muito utilizado por empresas, essas ações de comunicação digital tem como intuito potencializar, otimizar, comercializar produtos e conquistar clientes por meio da promoção de serviços. De acordo com Dias, o marketing digital será de extrema importância devido ao seu baixo custo e ao seu alto nível de eficiência, no que se diz respeito às mídias sociais e as estratégias econômicas e operacionais de uma empresa.

Gestão Operacional

Organização, controle e planejamento.  Essas são premissas básicas para o desempenho de um gestor operacional.  Com um olhar estratégico, atuam no funcionamento cotidiano de pequenas empresas a fim de mantê-las sempre em ordem e com os serviços bem executados.  Nas palavras do consultor Dias, gestão operacional é a carreira que faz resultado e lucro com o que já possuem e não com o que ainda vão conquistar futuramente.

Área Tributária

Com a expansão dos negócios, a área tributária vem ganhando espaço e ampliando os caminhos do mercado de trabalho, passando a se instalar em outras áreas que não sejam contábeis e jurídicas.  Empresas de diversos segmentos vêm dando mais atenção aos seus setores tributários, tornando-os menos operacionais e mais estratégicos. “Devido à falta de receitas vindas das vendas, as empresas buscam cada vez mais olhar internamente e gerar planejamentos tributários. E é por meio dessa necessidade que o mercado tem se ampliado para a área tributária e para as oportunidades de planejamentos tributários”, explica Emerson Weslei Dias.

O que todas essas carreiras têm em comum?

De acordo com o consultor, todas essas profissões se destacarão por conta das exigências feitas pelo mercado de trabalho. Como 2017 também não será um ano de expansão e as pessoas continuam endividadas e sem dinheiro, é difícil projetar vendas e novos serviços que necessitam de altos investimentos. Com isso, será necessário achar na própria instituição soluções que não demandem custos absurdos, necessitando assim, de profissionais que possam oferecer alternativas viáveis e rápidas para que as empresas e suas atividades continuem progredindo em tempos difíceis.  

 + Preocupação com o desemprego aumentou em dezembro, aponta CNI

Desemprego em 2016 e previsões para esse ano

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontaram que o Brasil tem 12 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho. O número indica que o índice de desemprego no País ficou em 11,8% no terceiro trimestre.

Os números, que fazem parte da Pesquisa Nacional por amostra de domicílios (Pnad), indicam que o Brasil tem 437 mil brasileiros desempregados a mais na comparação com o segundo trimestre deste ano. O balanço indica ainda crescimento de 3,8% na taxa de desemprego. Em 12 meses, são 3 milhões a mais de pessoas sem uma ocupação remunerada, o que representa alta de 33,9% no período.

Segundo Dias, o setor industrial não sofreu tanto com a instabilidade do mercado devido ao agrobusiness e as novas tecnologias e tendências desenvolvidas na área de inovação e tecnologia. Diferente das áreas de serviços e varejo, que tiveram um mau desempenho no ano de 2016, o que causou muito desemprego nas demais áreas abrangentes a esses setores. Emerson visa que o ano de 2017 também será desfavorável para o mercado de trabalho, podendo haver progressos a partir do mês de julho. “Dentro de um mercado mais restrito e com menos oportunidades externas, a busca por soluções internas e o ganho de lucro por meio delas é algo essencial, e isso, as carreiras citadas podem oferecer.”

+ Os 11 profissionais mais buscados pelas empresa em tempos de crise 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas