Brasil Econômico

Pelo segundo ano seguido, a caderneta de poupança terminou 2016 com saldo negativo. De acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (5) pelo Banco Central (BC), os brasileiros sacaram R$ 40,7 bilhões a mais do que depositaram. Os principais motivos para o resultado foram a queda da renda e a perda da atratividade frente a outras aplicações.

+ Pesquisa aponta que digitalização bancária pode somar R$ 491 bilhões ao PIB

A retirada líquida foi menor que o apresentado em 2015, quando os saques superaram os depósitos em R$ 53,6 bilhões. A poupança vem registrando saldos negativos com frequência desde o ano passado por conta da crise econômica e do aumento do desemprego, que fazem muitas pessoas recorrerem às suas contas para quitar dívidas e pagar contas.

Segundo o Banco Central, captação líquida da poupança em dezembro foi a segunda maior já registrada para o mês
Pixabay/Creative Commons
Segundo o Banco Central, captação líquida da poupança em dezembro foi a segunda maior já registrada para o mês

+ Em acumulado de 2016, preço da cesta básica sobe em todas as capitais

Apesar do saldo negativo no acumulado do ano, os dois últimos meses de 2016 indicaram recuperação da aplicação. Em novembro, os depósitos superaram os saques em R$ 1,9 bilhão e, em dezembro, o saldo ficou positivo em R$ 10,7 bilhões. Os resultados foram causados, principalmente, pelo pagamento da segunda parcela do décimo terceiro, aumentando o volume de recursos disponíveis para a poupança.

Você viu?

A captação líquida em dezembro foi a segundo maior já registrada para o mês, ficando abaixo apenas de dezembro de 2013, quando a captação ficou em R$ 11,2 bilhões. A melhoria da rentabilidade e a queda da inflação ajudam a explicar a queda da fuga de recursos nos últimos meses do ano.

No ano passado, a caderneta rendeu 8,3%. Até novembro, a inflação em 12 meses estava em 6,98%, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O cenário foi um pouco melhor do que o registrado ao final de 2015, quando a aplicação terminou o ano com rendimento médio de 8,07%, abaixo da média IPCA de 10,67%.

+ Confiança dos micro e pequenos empresários regride, aponta o SPC Brasil

Rentabilidade

Apesar de estar rendendo um pouco mais e oferecer isenção de Imposto de Renda, a caderneta continua com rendimentos inferiores a outras aplicações. Segundo levantamento recente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), os fundos de renda fixa com taxa de administração de até 2,5% são mais rentáveis que a poupança para aplicações de um a dois anos.

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários