Brasil Econômico

undefined
Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
Número de brasileiros que devem guardar sobras do benefício para o pagamento de gastos do início do ano caiu em 25%

De  acordo com pesquisa realizada pela Anefac, 81% dos trabalhadoresbrasileiros pretendem utilizar o 13º salário para o pagamento de dívidas. O estudo foi realizado durante o mês de outubro e contou com a participação de cerca de mil consumidores de todas as classes sociais. O benefício deve ser pago nos dias 30 de novembro e 20 de dezembro.  

+ Com promessa de "reforma dura", governo deve lançar PEC da Previdência neste ano

A pesquisa, coordenada por Miguel José Ribeiro de Oliveira, Diretor Executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da ANEFAC, aponta que o crescimento no número de consumidores que pretendem utilizar o 13º para o pagamento de dívidas foi de 9,46%, o que indica maior endividamento dos brasileiros no ano de 2016.

Entre os consumidores que pretendem gastar o valor do benefício com presentes, houve uma queda de 25% na comparação com o ano passado. Isso indica maior preocupação com os gastos. Também houve redução de 25% no número de pessoas que têm a intenção de poupar valores que sobrarão do 13º para os gastos do início do ano. 

O estudo também mostra que 89% dos trabalhadores possuem dívidas no cheque especial e no cartão de crédito, e pretendem usar o benefício para pagar estes valores. O cartão é justamente a linha de crédito com maior peso na composição das dívidas em aberto dos consumidores, chegando a 48% do total – alta de 9,09% em relação ao ano passado – contra 41% do cheque especial, que registrou aumento de 5,13%.

+ Eliseu Padilha fala em financiamento direto como ajuda aos Estados

Produtos

Em relação aos produtos que mais serão consumidos com os recursos do 13º salário, as roupas ficam em primeiro lugar, com 72% das intenções de compra. Na sequência estão os celulares, com 66%, enquanto, na terceira colocação, ficam os eletroeletrônicos e bens diversos, ambos com 61%, 

Natal

Também é possível perceber pela pesquisa que os consumidores do Brasil estão preocupados em reduzir os gastos no Natal. Enquanto 10% das pessoas pretendiam gastar mais de R$ 500 com as compras da data comemorativa no ano passado, em 2016 apenas 6% dos consumidores têm esta intenção. 

+ Presidente da Caixa Econômica nega fechamento de agências pelo País

A forma de pagamento também teve alterações na pesquisa deste ano. Foi constatado um crescimento de 4,88% nos consumidores que têm a intenção de utilizar seus próprios recursos para as compras do Natal, enquanto houve uma queda de 40% em relação aos que devem utilizar financiamentos bancários. A maior parte dos consumidores (66%), no entanto, deve usar o cartão de crédito para o pagamento das compras da data. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários