Tamanho do texto

Estudo realizado nos Estados Unidos com mais de 4 mil profissionais revela que metade dos trabalhadores independentes se sente como "forasteira"

Brasil Econômico

freelancer
iStock
freelancer

Quando você tenta pensar sobre os motivos de as pessoas preferirem ser contratadas para trabalhos full-time, talvez levante argumentos financeiros, uma vez que existem diversos benefícios para quem tem a carteira assinada, tais como FGTS e 13º salário, por exemplo; direitos que os freelancers não têm.

Contudo, embora não se fale sobre isso, também existem questões emocionais para a preferência à vida de trabalhador contratado. Aliás, essas motivações parecem ter peso muito maior do que imaginamos: para se ter ideia, 50% dos freelancers nos Estados Unidos, especialmente aqueles da Geração Y,  afirmaram que a principal desvantagem de ser independente é o sentimento de solidão, gerando uma sensação de se tornarem como  “forasteiros” no mercado de trabalho.

A empresa de consultoria empresarial Deloitte fez uma pesquisa recentemente em que entrevistou cerca de 4.000 trabalhadores dos EUA, de diferentes setores do mercado, englobando tanto empregados full-time, tanto aqueles de meio período e também os independentes. Como você pode imaginar, muitos profissionais contratados afirmaram que não trabalhariam jamais como freelancers, sendo que 60% disseram que hesitam em trabalhar por conta própria por causa do “fluxo de caixa inconsistente”, e 42% citaram a perda de benefícios pagos pela empresa como uma preocupação principal.

O fator solidão

Já entre aqueles que já foram ou que ainda são profissionais independentes, um padrão inesperado de comportamento foi notado: quase 70% disseram que, se fosse dada a escolha, não optariam por ser freelancer futuramente. Além disso, metade deles, especialmente entre os da Geração Y, afirmou que “a falta de conexão com uma cultura interna da empresa” é desestimulante. Para os responsáveis pelo estudo, essa porcentagem de insatisfação é muito maior que em qualquer outra geração de profissionais. 

+ Freelancer: tudo o que você precisa saber para contratar o profissional ideal

Com esses dados, o estudo concluiu que essa sensação de isolamento, que beira a solidão, pode ser apontada como um grande motivo para que menos da metade dos freelancers (48%) afirmasse que estaria “muito satisfeita” com a experiência de trabalhar por conta própria. Curioso, não?

O que empregadores podem fazer

Pela pesquisa, trabalhadores que não trabalham lado a lado com colegas e chefes sentem falta do contato cotidiano de empresas: a conversa no café, o almoço de última hora, encontros com clientes, happy hour. Enfim, tudo aquilo que gera a sensação de fazer parte de algo maior, de um projeto interessante, que cause o estímulo ao trabalho diário. 

Dessa maneira, segundo o chefe do escritório de talentos da Deloitte, Mike Preston, as companhias precisam encontrar outras maneiras para introduzir seus freelancers no projeto para que foram contratados, tais como cursos de treinamento e coaching para ajudar a desenvolver suas carreiras. “Nós estamos trabalhando agora para criar uma cultura de atração e conservação da contingência de profissionais”, conta. “Uma vez que a comunidade é importante”, completa.

+ Quer trabalhar em casa? Veja opções do que fazer fora do escritório

O especialista exemplifica ao citar o portal online da Deloitte, em que os contratados temporariamente podem encontrar publicações de oportunidades e de projetos abertos na empresa, juntamente com outras informações que estão disponíveis para os empregados regulares da empresa.

Em 2020, de acordo com a nova pesquisa, haverá mais de 54 milhões de profissionais independentes somente nos EUA (sendo que, agora, esse número ultrapassa 40 milhões), ou o equivalente a 45% da força de trabalho do setor privado. Além disso, muitos têm "conjuntos de habilidades únicas e uma experiência que pode ser valiosa”, destaca Preston.

Assim, ao estimular a participação dos  freelancers  como parte da equipe regular, trazendo uma cultura em que se sintam dentro da cultura da empresa, o empregador também sai ganhando, especialmente se precisarinvestir nesse tipo de contratação por um prazo longo, ou por mais de uma vez.