Brasil Econômico

Brasil Econômico

undefined
Reprodução
Pokémon Go ultrapassou a marca de 100 milhões de downloads na Play Store em poucos dias

O game de realidade aumentada Pokémon Go levou bastante tempo para ser lançado no Brasil, mas, rapidamente, se tornou uma febre entre os usuários. Em poucos dias, o jogo ultrapassou o Tinder em número de usuários e bateu a marca de 100 milhões de downloads na Play Store, loja de aplicativos do Google. Com estes números impressionantes, muitas marcas aproveitaram a oportunidade para atrair clientes para seus estabelecimentos.

LEIA MAIS: Empreendedorismo digital: 5 erros e 5 acertos dos negócios online

A chegada de Pokémon Go no Brasil também foi comemorada por empresas que também devem aproveitar o sucesso e fazer algo parecido com o que empresas de outros países estão fazendo. Entretanto, a estratégia utilizada em outras regiões pode não ser a mais adequada. “O principal erro está justamente em insistir na publicidade da marca, como um anúncio, aproveitando-se onda. Existem cases de bancos, fast foods, companhias aéreas e até mesmo time de futebol, para promover a contratação de um jogador, associando a marca ao game", alerta Bruno Nogueira Pinheiro, especialista em marketing digital.

"O que as marcas não perceberam é que o usuário não entrará em um estabelecimento porque ela está associada com o jogo, mas sim para caçar os monstrinhos virtuais”, completa. De acordo com Pinheiro, uma publicidade mais leve pode tornar campanhas mais bem-sucedidas.

Locais Patrocinados

Poucos sabem, mas o Google é um dos principais acionistas do Pokémon Go, junto à Nintendo e à Niantic, e deve contribuir para tornar o game mais rentável. De acordo com o CEO da Niantic, John Hank, em entrevista ao Financial Times, algumas empresas poderão receber destaque no mapa por meio de pagamentos. O modelo é semelhante às campanhas de marketing com links patrocinados no buscador.

LEIA MAIS: 7 filmes a que todo empreendedor deveria assistir

As empresas que utilizarem a ferramenta serão cobradas por custo de visita, que lembre o Custo por Clique (CPC), utilizado em anúncios na internet. A medida é uma forma de monetização e mensuração de resultados utilizados pelo Google. O aplicativo também deve permitir que empresas contribuam com o aceleramento da incubação de um pokémon. Uma loja poderia adiantar seu desenvolvimento mediante a compra de um produto, por exemplo.

Recompensas

O Luresquad tem ajudado a aumentar o número de visitas a estabelecimentos por meio da geolocalização do Pokémon Go. A plataforma já incentivou mais de 50 mil visitas a 200 locais cadastrados. O serviço destaca em um mapa os locais onde estão os personagens do jogo.

LEIA MAIS: Pokémon Go é proibido no Egito por não seguir regras do Islã

A ideia é utilizar os incensos do jogo para atrair pokémons para o estabelecimento por um tempo limitado. Quando o personagem aparece no mapa, o usuário pode ir até o estabelecimento e receber uma recompensa se adquirir algum produto. A estratégia é uma forma de marketing de engajamento entre as lojas e o usuário.

Patrocínio de Torneios ou Equipes

O engajamento deve ser o objetivo principal ao utilizar o Pokémon Go como ferramenta de divulgação. Por isso, além das ferramentas já citadas, o empreendedor tem inúmeras formas de atrelar o sucesso do game à sua marca. Uma alternativa é patrocinar torneios virtualmente ou no mundo real.

A estratégia pode transformar jogadores em representantes de uma marca. Games como League of Legends e World of Warcraft já se mostraram bem-sucedidos neste modelo e provam que apostar em jogadores e equipes pode ser uma grande oportunidade.

Realidade aumentada

A realidade aumentada não é uma novidade apresentada por Pokémon Go. Entretanto, o recurso ainda não havia decolado, apesar de já existir há bastante tempo. O lançamento do aplicativo mostra que as marcas podem aproveitar essa possibilidade em seus próprios projetos de forma mais avançada.

    Leia tudo sobre: aplicativo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários