Tamanho do texto

Com o resultado de fevereiro, volume de serviços prestados acumulou queda de 4,5% no ano e recuo de 3,7% em 12 meses

Estadão Conteúdo

Queda foi provocada por retração generalizada entre cinco segmentos pesquisados
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Queda foi provocada por retração generalizada entre cinco segmentos pesquisados

O volume de serviços prestados recuou 4,0% em fevereiro de 2016 ante o mesmo mês de 2015, já descontados os efeitos da inflação, informou nesta quarta-feira (13) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi o 11º resultado negativo consecutivo e o pior desempenho para o mês da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012. Em janeiro de 2016 ante janeiro de 2015, a redução foi de 5,0%.

Desde outubro de 2015, o órgão divulga índices de volume no âmbito da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). Antes disso, o IBGE anunciava apenas os dados da receita bruta nominal, sem tirar a influência dos preços sobre o resultado. Por esse indicador, que continua a ser divulgado, a receita nominal subiu 1,9% em fevereiro ante igual mês de 2015.

Com o resultado de fevereiro, o volume de serviços prestados acumulou queda de 4,5% no ano e recuo de 3,7% em 12 meses.

A série da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) foi iniciada em janeiro de 2012. Ainda não há dados com ajuste sazonal (que permitem a análise do mês contra o mês imediatamente anterior), porque, segundo o IBGE, a dessazonalização requer a existência de uma série histórica de aproximadamente quatro anos.

Segmentos

A queda de 4,0% no volume de serviços prestados em fevereiro ante fevereiro do ano passado foi provocada por uma retração generalizada entre os cinco segmentos pesquisados, aponta IBGE.

Os Serviços prestados às famílias caíram 1,4% em fevereiro; os Serviços de informação e comunicação recuaram 5,3%; os Serviços profissionais, administrativos e complementares tiveram retração de 4,3%; os Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio encolheram 2,0%; e o segmento de Outros serviços diminuiu 6,1%.


    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.