Tamanho do texto

Retração econômica no ano passado foi de 3,8%, o pior resultado desde 1990; País segue sem perspectivas de reação

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrou queda de 3,8% em 2015 ante 2014, informou na manhã desta quinta-feira (3) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o pior resultado desde 1990, que vem sido refletido em um cenário de menos emprego, menos crédito e o desaquecimento geral da economia, que acaba de fechar o sétimo trimestre em queda.

Caged divulgado em janeiro mostrou o fechamento de 1,54 milhão de vagas formais em 2015
NELSON ANTOINE/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Caged divulgado em janeiro mostrou o fechamento de 1,54 milhão de vagas formais em 2015

Para o economista da ACLacerda Consultores e professor da PUC-SP, Antônio Correia Lacerda, o resultado do PIB é, para o cidadão comum, mais um sinal do que já tinha sido apontado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Na divulgação do fim de janeiro, foi mostrado que o País teve o fechamento de 1,54 milhão de postos formais de trabalho. “Na verdade, [a queda do PIB] é uma confirmação do que as pessoas já sentem. A queda significa que o País produz menos, que empresas estão fechando, que a indústria vai mal e está demitindo”, explica.

Do lado do mercado financeiro, o resultado negativo sequencial é visto de maneira crônica e crítica ao governo. O Goldman Sachs ressaltou o fraco ajuste do consumo dos órgãos públicos frente aos gastos das famílias, reduções de 1% e 4%, respectivamente. Além disso, não são esperadas reações no curto prazo. “Dada a sua excepcional profundidade, largura e comprimento, a contração cíclica em curso do PIB do Brasil está adquirindo algumas características de uma depressão econômica clara”, disse o economista Alberto Ramos, em entrevista ao “Infomoney”.

Para 2016, o especialista acredita que será mais um ano de “mais do mesmo”, já que as perspectivas negativas permanecem na mesma magnitude do registrado no ano passado. O desempenho do industrial, importante fator na queda e tem peso importante em uma retomada do crescimento, e, sobretudo, a manutenção da taxa básica de juros (Selic) em 14,25% são os principais entraves. “É esperado que o governo tome medidas para sair da crise, mas não é o que se observa”, diz Lacerda. “[A manutenção dos juros] foi horrível, seria necessário baixar os juros. Não dá pra imaginar uma volta da atividade sem estimular o investimento, o consumo, a indústria”, acrescenta.

Calma e resiliência para atravessar a crise

O PIB per capita ficou em R$ 28.876 em 2015, um recuo de 4,6% em relação a 2014. Apesar da cifra, o alto rendimento é realidade para uma parcela ínfima da sociedade brasileira, proporcionalmente a menos afetada. Quem sofre mais, como em toda crise, é aquele trabalhador que recebe de um a três salários mínimos. “As empresas cortam a pessoa que servia o cafezinho. Ou, se tinham duas secretárias, agora é só uma. O setor de construção civil também é bom para ilustrar esse cenário”, explica o coach financeiro Ricardo Melo.

Melo explica que o cenário adverso deve forçar o trabalhador a tomar caminhos alternativos, mesmo que o momento não pareça ideal. “São duas situações: ou se encara a crise como negativa e ficar remoendo a crise, que é a mais preocupa pela cultura do brasileiro, e se percebe novas oportunidades que surgem nessas épocas (...) são em tempos como esses que grandes negócios surgem”. completa.

O empreendedorismo, cada vez mais comum daqueles que perdem o emprego e tem a verba indenizatória disponível, é um ótimo caminho. No entanto, na opinião do consultor, deve ser realizado com parcimônia e resiliência. “É importante essa pessoa não pensar exclusivamente no lado profissional, mas sim ter equilibrado o lado emocional”, explica. “Essas novas oportunidades são o ‘lado bom’ da crise, mas muita gente sai atirando para todos os lados, abre um negócio e, em seguida, acaba fechando”.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.